Comentário de Bolsa

Depois de ânimo com Ibope, Ibovespa diminui ganhos à espera do Fed

Pesquisa de ontem mostrou recuperação de Aécio, queda de Dilma e manutenção de Marina Silva; mercado também aguarda por Fed e estímulos na China

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Após chegar a abrir com ganhos de cerca de 1,54%, a 60.024 pontos em meio ao cenário eleitoral, o Ibovespa diminuiu os ganhos, de olho na reunião do Federal Reserve. Às 12h50 (horário de Brasília), o índice registrava alta de 0,54%, a 59.434 pontos. 

As ações da Petrobras sobem cerca de 2%, mas diminuindo os ganhos em relação à alta de mais de 4% mais cedo; bancos, também sensíveis ao cenário eleitoral, também registram ganhos. A pesquisa Ibope mostrou um empate técnico no segundo turno entre as candidatas Marina Silva (PSB) e Dilma Rousseff (PT) por 43% a 40%, enquanto a petista segue à frente no primeiro turno, mas com queda de três pontos, para 36%. Marina recuou um ponto, de 31% para 30%, enquanto Aécio se recuperou quatro pontos, passando de 15% para 19% das intenções de voto.

A Petrobras deve seguir no radar também pelo depoimento do ex-diretor de abastecimento da companhia, Paulo Roberto Costa, à CPMI na tarde desta quarta. 

Teles e Cemig no radar dos mercados
O noticiário corporativo também é movimentado com destaque, mais uma vez, para as teles. O Conselho de Administração da Oi (OIBR4) autorizou a venda das participações da companhia na Africatel Holdings, representativas de 75% do capital da Africatel, e/ou seus ativos, informou a operadora de telecomunicações no fim da terça-feira.

Vale destacar ainda a virada da TIM (TIMP3), que passou a registrar uma das maiores altas do índice.  A Telecom Italia afirmou à sua controlada que não há nenhuma discussão em curso para uma oferta de compra da rival Oi (OIBR4), informou a TIM nesta quarta-feira.

A negativa ocorreu após rumores de que o grupo italiano poderia estar trabalhando para fazer uma oferta pela Oi, que atualmente atravessa processo de fusão com a Portugal Telecom e que tinha afirmado no final de agosto que havia contratado o BTG Pactual para uma oferta pela TIM.

Já as ações da Cemig estendem as perdas da última sessão e voltam a ter forte queda, após a notícia de que o candidato do PT ao governo de Minas Gerais, Fernando Pimentel, que lidera as pesquisas de intenção de voto, deve fazer diversas mudanças na gestão da Cemig (CMIG4), de acordo com informações do jornal Valor Econômico de ontem. 

Em entrevista ao ValorPro, serviço de informações em tempo real, o coordenador-geral do programa de governo, Marco Aurélio Crocco, disse que entre as intenções de um futuro governo do PT no estado está a redução da tarifa de energia elétrica e de uma Cemig menos voltada ao mercado. O Ibope em Minas, também divulgado ontem, apontou que Pimentel ampliou a vantagem na dianteira para o Governo de Minas nas eleições de 5 de outubro. O petista aparece com 43%, o que garantiria a vitória em 1º turno. O candidato mais próximo a ele é Pimenta da Veiga (PSDB), com 23%. 

As maiores altas, dentre as ações que compõem o Índice Bovespa, são:

 Cód.AtivoCot R$% Dia
 OIBR4 OI PN1,69+3,05
 ELET3 ELETROBRAS ON7,87+2,88
 TIMP3 TIM PART S/A ON13,57+2,80
 ELET6 ELETROBRAS PNB11,47+2,69
 PDGR3 PDG REALT ON1,33+2,31

PUBLICIDADE

As maiores baixas, dentre os papéis que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód.AtivoCot R$% Dia
 CMIG4 CEMIG PN16,09-5,07
 JBSS3 JBS ON9,61-4,85
 ALLL3 ALL AMER LAT ON7,20-4,64
 ESTC3 ESTACIO PART ON26,08-2,69
 QUAL3 QUALICORP ON25,39-2,27

Expectativa pelo Fed e por China guia bolsas mundiais
Lá fora, o dia também aponta para ser positivo. Os principais índices asiáticos encerram esta data sem uma direção única, enquanto as bolsas europeias têm um dia de alta. Os índices também seguem à espera da reunião de política monetária do Fed (Federal Reserve), que acaba nesta quarta-feira. Além disso, os benchmarks foram impulsionados com rumores de um possível estímulo na economia chinesa.

Na Ásia, operadores disseram que as commodities também foram impulsionadas por notícias de que o banco central da China vai fornecer 500 bilhões de iuans em financiamento de curto prazo aos cinco maiores bancos do país. A notícia alimentou as esperanças do mercado de que Pequim está pronta para dar mais estímulo após a recente fraqueza no mercado imobiliário, importações e produção industrial.

Na Europa, destaque para os dados de inflação na zona do euro.  O aumento de aluguéis e nos preços de conserto de carros impulsionou a inflação na região em agosto ligeiramente acima da primeira expectativa, uma boa notícia para o BCE (Banco Central Europeu) mas não o suficiente para mudar radicalmente o cenário econômico.

A inflação ao consumidor nos 18 países que compartilham o euro atingiu 0,1 por cento na comparação mensal em agosto e 0,4% na base anual, informou nesta quarta-feira a agência de estatísticas da União Europeia, Eurostat. Com isso, revisou para cima sua estimativa inicial, de 29 de agosto, de alta anual de 0,3%.