Defesa Civil de Maceió aponta “risco iminente” de colapso em antiga mina da Braskem (BRKM5)

O órgão afirmou, em nota, que o quadro no local se agravou após sismos se intensificarem.

Reuters

Publicidade

SÃO PAULO (Reuters) – A Defesa Civil de Maceió disse nesta quarta-feira que há “um risco iminente de colapso” de uma antiga mina de sal-gema da petroquímica Braskem (BRKM5), em uma área já desocupada.

O órgão afirmou, em nota, que o quadro no local se agravou após sismos se intensificarem.

“Estudos mostram que há risco iminente de colapso em uma das minas monitoradas”, disse a Defesa Civil, recomendando que embarcações e a população evitem transitar na região. O local, no bairro do Mutange, é próximo de uma lagoa.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A Braskem afirmou, em nota, que “em decorrência do registro de microssismos e movimentações de solo atípicas pelo sistema de monitoramento, paralisou suas atividades na área de resguardo”. A área de resguardo é uma zona de segurança em torno de poços com problemas de estabilidade na região.

A Braskem disse ainda que a área “foi isolada preventivamente e em cumprimento às ações definidas nos protocolos da companhia e da Defesa Civil.”

A exploração de sal-gema pela Braskem em Maceió, encerrada em 2019, levou a um afundamento de solo que obrigou a interdição de uma série de bairros da capital alagoana, gerando acordos bilionários de indenização e compensação.

Continua depois da publicidade

O prefeito de Maceió, João Henrique Caldas (PL), criou um gabinete de crise nesta quarta-feira com diversas secretarias municipais para acompanhar a situação na mina 18 da Braskem, informou a prefeitura em comunicado.

Esse gabinete já enviou ofício informando a situação a órgãos de controle e segurança, incluindo os ministérios públicos estadual e federal, a defensoria pública alagoana, a polícia militar e o corpo de bombeiros do Estado, de acordo com o comunicado.

A Defesa Civil já havia dito, na véspera, que intensificara o monitoramento do local.