Opinião do CoinDesk

DAOs são o melhor modelo que temos para criar uma estrutura meritocrática

As organizações autônomas descentralizadas podem transformar o mundo do trabalho

Por  CoinDesk -

*Por Parker McCurley

A primeira empresa de responsabilidade limitada foi criada no Wyoming, nos Estados Unidos, em 1977, e levou uma década para o governo federal – e muitos empresários – entenderem o ponto central na ideia de organização e propriedade nos negócios.

Coincidentemente, parece que o Wyoming mais uma vez serve como o berço legal de um novo tipo de empresa, pois é o primeiro estado a reconhecer oficialmente uma organização autônoma descentralizada (DAO) como uma entidade empresarial.

DAOs representam a mudança mais dramática de estrutura, governança e gestão de ativos nos negócios em nossas vidas contemporâneas. Embora muitas DAOs que governam tesourarias tenham sido vítimas de perdas devido a explorações ou bugs em seus códigos, esses problemas são um reflexo da necessidade de auditorias mais robustas em toda a Web 3.0 – e não um reflexo do valor da governança descentralizada em si. No conceito, as DAOs agora se destacam como o salto mais significativo em termos de como podemos pensar em administrar e gerenciar organizações desde a era disco, na década de 70.

Em geral, no entanto, as principais questões relativas às DAOs permanecem de natureza fundamental. Quais são exatamente os princípios que definem organizações e negócios? As DAOs podem atender e redefinir esses padrões de maneira mais saudável e equitativa?

Acesso livre ao conhecimento

Na maioria das estruturas de negócios, a informação é mantida em segredo, como se o próprio conhecimento atribuísse um direito monetário à propriedade. Em casos extremos, temos até testemunhado fabricantes projetando propositalmente produtos que não podem ser consertados ou modificados pelos proprietários. Eles têm feito isso por medo de que os consertos possam gerar aumento de projetos de engenharia reversa.

Felizmente, as leis de direito de reparo estão começando a chegar aos EUA, mas quando até mesmo itens físicos se tornam inacessíveis às mentes inquiridoras, cruzamos uma linha. Quando empresas dificultam o acesso a tecnologias inovadoras em benefício próprio, elas estão suprimindo informações valiosas que poderiam ser usadas para melhorar sistemas e condições para todos.

Esse comportamento excludente inibe a inovação pelo design, priorizando a necessidade dos proprietários de gerar valor e proibindo os concorrentes de furarem seu monopólio. Imagine se todo o genoma humano tivesse que ser redescoberto para realizar pesquisas genéticas.

Pense em todas as maneiras pelas quais manter as informações somente dentro das empresas pode prejudicar os avanços em quase todos os campos da ciência, saúde, negócios e entretenimento. O acesso irrestrito à informação leva à inovação, e a inovação permite que as tecnologias emergentes evoluam de maneiras que sirvam para avançar o conhecimento de maneiras naturalistas e representativas. Capacitar os indivíduos é o catalisador para o verdadeiro progresso social.

Metodologias de código aberto (open source) derrubam os jardins murados construídos por corporações privilegiadas e devolvem a todos a liberdade de inovar, abrindo caminho para o progresso da sociedade. No entanto, um grande obstáculo para as abordagens de código aberto é a falta de padrões para ganhar renda com as contribuições.

Simplificando – é difícil ser pago para criar algo que será distribuído gratuitamente.

A proposta trabalhista

Ser parte de algo maior do que si mesmo oferece uma fonte de significado e propósito.

A abordagem da contribuição de código aberto no setor de tecnologia tem uma longa história, repleta de pessoas que compartilharam seus conhecimentos ou habilidades específicas e não esperaram nada em troca além da satisfação do trabalho e de seu impacto potencial.

Contribuir para projetos de código aberto, no entanto, é difícil para a maioria das pessoas que estão exaustas tentando sobreviver e pagar as contas trabalhando em seus empregos diários. Como resultado, criadores e colaboradores de muitos projetos open source são voluntários bem-intencionados que têm tempo e atenção limitados para alocar.

O paradoxo aqui é claro: projetos altruístas muitas vezes não podem ser financiados por aqueles que seriam mais ajudados por essas inovações. Constrangimentos físicos e emocionais, barreiras econômicas, antagonismos de classe e escassez de tempo de lazer limitam a contribuição e o apoio dos indivíduos.

O acúmulo de riqueza

Em uma organização privada, um trabalho considerável é extraído do trabalhador, que não é correspondido em remuneração.

A busca de riqueza não é inerentemente ruim, e a ideia de que a criação de riqueza bem-sucedida deve ser antiética, egoísta ou gananciosa é falsa. O lucro predatório é o problema – quando um sistema hierárquico de receita e ganhos se torna mais importante do que uma igualdade de prosperidade social, o sistema se torna desumano.

Uma palavra comum ouvida no mundo do código aberto e das criptomoedas é meritocracia. Uma meritocracia garante que o trabalho de valor produza riqueza de igual valor. Em outras palavras, é um sistema que deve recompensar os membros estritamente com base em sua contribuição. Infelizmente, em um sistema privado em que atores economicamente ou politicamente favorecidos podem optar por aumentar a riqueza sem contribuição a meritocracia é impossível.

Uma vez que os indivíduos são induzidos a desconfiar dos métodos de código aberto como um caminho potencial para a riqueza, eles enfrentam uma verdade preocupante: em nossa sociedade, é muito mais fácil contribuir para o sistema privado e ficar feliz em receber dinheiro um pouco de cada vez do que tentar uma abordagem alternativa.

Entrando nas DAOs

As DAOs são o melhor modelo que temos para criar uma estrutura meritocrática de código aberto para promover conhecimento, trabalho e riqueza imparciais. Na prática, veja os que as DAOs podem oferecer como soluções para as condições citadas acima.

Abertura

  • DAOs giram em torno de uma missão compartilhada que inspira seus membros a valorizar o significado de seu trabalho.
  • Em uma DAO, todas as informações necessárias para entender a missão, metas e objetivos estão disponíveis para todos.
  • A estratégia pela qual uma DAO cumpre sua missão pode ser contribuída e atualizada por meio de fóruns abertos em tempo real, permitindo que uma DAO redirecione e repita seu próprio caminho estratégico de forma rápida e eficiente.

Trabalho

  • As DAOs podem publicar tarefas específicas e detalhadas que contribuem para seus objetivos e missões maiores. Esse trabalho deve ser denominado em níveis de detalhamento com base no risco e nos recursos necessários para que a DAO suporte o espectro de salários dignos.
  • Ao fornecer acesso para colaboradores globais, a DAO oferece mais oportunidades para cenários de emprego escaláveis do que uma empresa tradicional que contrata funcionários em tempo integral em sua própria região.
  • O trabalho disponível torna-se um mercado meritocrático aberto que é remunerado com base na contribuição para a missão e objetivos gerais de uma DAO. Ele também é acessível a qualquer pessoa.

Riqueza

  • Por meio da tokenização de horas de trabalho e expertise, os membros são remunerados de forma justa, com base nas contribuições, resultando em um sistema meritocrático de recompensa e governança.
  • Com o tempo, assumindo que a missão de uma DAO é realmente valorizada pela sociedade, o desejo de contribuir ou governar a DAO aumentará e impulsionará a demanda por participação consistente.
  • À medida que a DAO é bem-sucedida, todos os seus membros também o fazem.

As DAOs apresentam um caminho claro para coordenar oportunidades de trabalho significativas e para criar riqueza de forma ética, com um design de código aberto que irá remodelar o futuro dos negócios.

*Parker McCurley é o fundador da Decent, uma organização autônoma descentralizada.

Até onde as criptomoedas vão chegar? Qual a melhor forma de comprá-las? Nós preparamos uma aula gratuita com o passo a passo. Clique aqui para assistir e receber a newsletter de criptoativos do InfoMoney

Compartilhe