Novo processo

CVM investiga uso de informação privilegiada com ações da Petrobras

A investigação sobre uso de informação privilegiada busca determinar se algum investidor valeu-se dessa condição para negociar e ter lucro no mercado.

(Divulgação CVM)

SÃO PAULO (Reuters) – A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) informou nesta sexta-feira que abriu processo para investigar uso de informação privilegiada nos negócios com ações da Petrobras (PETR3;PETR4), no episódio envolvendo anúncio de troca no comando da companhia.

“O assunto objeto de seu questionamento está sendo analisado no processo administrativo CVM 19957.001646/2021-76”, respondeu a autarquia em comunicado, acrescentando que não comenta casos específicos.

Entre o fechamento da sessão do dia 18 de fevereiro –antes de o presidente Jair Bolsonaro indicar que nomearia um sucessor para o presidente-executivo da estatal, Roberto Castello Branco— e do dia 22, quando o governo já havia oficializado a indicação do sucessor, o general Joaquim Silva e Luna, a ação preferencial da companhia desabou 26,7%.

Nos dias seguintes, o papel recuperou-se parcialmente.

A investigação sobre uso de informação privilegiada, conhecida no jargão do mercado como insider trading, busca  determinar se algum investidor valeu-se dessa condição para negociar e ter lucro no mercado.

A CVM já abriu seis processos para investigar diferentes assuntos ligados ao episódio, entre eles o motivo de a empresa não ter divulgado fato relevante previamente sobre o assunto, a reclamação de investidor de ingerência do acionista controlador e não submissão prévia da proposta do governo ao conselho de administração da empresa.

Leia Também:
• Buffet, o maior investidor do mundo, escolheu a Chevron. Por que não a Petrobras?

A associação que representa investidores minoritários Abradin informou na quarta-feira apresentação à CVM de uma representação pedindo a investigação de um operador que teria feito movimentação suspeita com ações da Petrobras PETR4.SA no mercado de opções.

A operação, segundo o presidente da Associação Brasileira de Investidores, teria ocorrido entre uma reunião em Brasília em que se teria definido a saída do presidente da Petrobras e a indicação do general Joaquim Silva e Luna para assumir o comando da companhia.

PUBLICIDADE

Estagnado em sua profissão? Série gratuita do InfoMoney mostra como você pode se tornar um Analista de Ações em 2021. Clique aqui para se inscrever.