Cuidado! Preço de óleo não representa qualidade para seu carro

Nem sempre o óleo mais caro é o mais adequado. Ao fazer a escolha errada, o produto pode interferir na potência do motor

Por  Equipe InfoMoney -

SÃO PAULO – O óleo lubrificante é um dos principais componentes de um automóvel e, em geral, a troca deve ser feita a cada 10 quilômetros. Alguns usuários acham que os mais caros são os mais adequados, porém, nem sempre será o melhor para o seu carro.

A escolha errada pode interferir na potência do motor. O óleo sintético, por exemplo, é o mais caro, mas não é indicado aos carros com motor 1.0. Nessa caso, os melhores, tanto para o carro como para o seu bolso, são os minerais.

Tipos de óleo

Existem três tipos de óleo disponíveis no mercado: minerais multiviscosos, semi-sintéticos e sintéticos. Nas lojas, os mais comuns são os minerais, adequados a motores convencionais de qualquer cilindrada.

Os semi-sintéticos são indicados a motores mais potentes, e os sintéticos são usados em modelos esportivos e carros de corrida.

Para veículos que utilizarem óleos sintéticos, o ideal é que a cada 30 mil quilômetros o produto seja substituído.

Compartilhe