Crise

Crise global teve impacto em forma como é pensado o ofício dos BCs, diz Tombini

Segundo Tombini, a crise levou a reformulações, ainda em andamento, em políticas para manutenção da estabilidade financeira, em regimes de política monetária e nos métodos de lidar com fluxos de capital

Aprenda a investir na bolsa

A crise financeira global teve um grande impacto sobre a forma como é pensado o ofício dos bancos centrais, afirmou nesta quarta-feira, 10, o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini. A estabilidade macroeconômica, contudo, segue sendo o alvo principal das autoridades monetárias. “Naturalmente, a estabilidade macroeconômica foi e ainda é uma condição necessária para que o sistema opere adequadamente”, disse.

Em discurso de abertura da mesa-redonda “Central Banking – the next 50 years” no Rio, Tombini afirmou que a crise levou ao reexame de alguns pontos antes avaliados como “bem fundamentados”. “Embora o Brasil não estivesse no epicentro da crise financeira global, fomos afetados por ela e pelas políticas colocadas em prática como resposta a seus desdobramentos”, disse.

Segundo Tombini, a crise levou a reformulações, ainda em andamento, em políticas para manutenção da estabilidade financeira, em regimes de política monetária e nos métodos de lidar com fluxos de capital.

Aprenda a investir na bolsa

Tombini afirmou também que as políticas macroprudenciais são a primeira linha de defesa contra o risco sistêmico no caso das crises financeiras, mas ainda há incerteza sobre sua eficácia. Ele destacou também que não há consenso sobre a eficácia da política monetária para conter esses riscos e defendeu que as políticas macroprudenciais se concentrem na estabilidade financeira e, a monetária, na estabilidade de preços.

“A política macroprudencial é amplamente vista como a primeira linha de defesa contra o risco sistêmico, mas ainda há incerteza sobre sua eficácia”, afirmou Tombini no discurso de abertura da mesa-redonda.

Segundo Tombini, há dois pontos de vista sobre o uso da política monetária para conter bolhas financeiras. “Um deles é que a política monetária tende a ser eficaz porque afeta todos os mercados indiscriminadamente”, disse o presidente do BC. Outro ponto de vista “é que a política monetária é uma ferramenta ineficaz e, potencialmente, até mesmo prejudicial para a estabilidade financeira, uma vez que não possui foco específico e pode produzir efeitos macroeconômicos contraproducentes”.

“A visão que parece estar ganhando força, à qual subscrevo, é a de utilizar a política macroprudencial para manter a estabilidade financeira e permitir que a política monetária se concentre na estabilidade de preços”, defendeu Tombini.

Ainda assim, o presidente do BC destacou que isso depende do desenvolvimento das ferramentas macroprudenciais. Apesar de experiências positivas, no Brasil inclusive, elas não foram suficientemente testadas, disse Tombini.