Experimento fracassado?

Criptomoeda Terra (LUNA) despenca mais de 90% em meio à crise com stablecoin; entenda

Mecanismo de emissão da stablecoin UST criou espiral da morte que levou criptos irmãs juntas para o abismo

Por  Paulo Alves, Rodrigo Tolotti -

A criptomoeda LUNA, nativa da blockchain Terra, tem chamado atenção do mercado cripto ao perder 97% de seu valor em questão de dias. O movimento teve início em meio a uma crise de paridade da stablecoin Terra USD (UST), que pertence ao mesmo projeto.

A relação entre a Luna e a UST está no centro do problema. Ao contrário de stablecoins mais conhecidas como Tether (USDT) e USD Coin (USDC), que criam paridade com o dólar mediante lastro depositado em banco, a UST obtém estabilidade por meio da queima de Luna: a cada unidade de UST emitida, US$ 1 em Luna é retirado de circulação. A dinâmica é sustentada por market makers (criadores de mercado), que atuam na compra e venda dos ativos, lucrando em troca da tarefa de manter a paridade do UST com o dólar.

O sistema vinha favorecendo a Luna até recentemente, com escassez provocada pelo crescimento da demanda por UST – em 2021, a Luna disparou 13.842%, para US$ 90,55, e em 2022 já chegou a valer quase US$ 120. Diante da crise recente, no entanto, a criptomoeda agora vale menos de US$ 0,10 em algumas exchanges.

Leia mais:

Entenda o caso

Especialistas já alertavam para o perigo do experimento: se investidores se desfizessem de uma quantidade suficiente de UST, muitas unidades de Luna seriam emitidas a ponto de desequilibrar a balança e ocasionar a perda do valor de ambos os criptoativos. A única dúvida ficava por conta do motivo que levaria à onda de resgates dos valores investidos na stablecoin.

Os primeiros sinais começaram a aparecer quando a Tron (TRX) anunciou, na quinta-feira (5), um novo protocolo que oferecia mais de 30% de rendimento anual sobre stablecoins. Imediatamente, investidores viram uma oportunidade de lucrar, e vários deles migraram do protocolo Anchor, que rendia entre 17% e 20% ao ano em UST e é o principal motor de crescimento do ativo.

Já fragilizado pelo abandono de parte dos investidores, a UST então recebeu seu pior baque quando o Bitcoin caiu 11% e criou a receita perfeita para o desastre: com a UST já brigando para valer US$ 1 e a Luna recuando em sintonia com o mercado, a volatilidade aumentou tanto que os market makers não conseguiram atuar rápido o suficiente para segurar os preços.

  • Assista: Nova queda do Bitcoin é cilada ou oportunidade? Especialistas respondem

A UST havia entrado no que se chama de “espiral da morte”, cenário que envolve uma queda sistemática e retroalimentada de um ativo. Nesse caso, investidores começaram a resgatar valores cada vez maiores em UST com o receio de que a stablecoin valesse cada vez menos que US$ 1.

Com isso, o sistema passou a emitir mais tokens Luna, derrubando ainda mais o preço da criptomoeda e causando mais medo no mercado. Para não ficar no prejuízo, investidores da Luna também começaram a liquidar suas posições, enfraquecendo outra vez o combustível da paridade, criando um ciclo vicioso.

A tacada final veio quando o criador do projeto decidiu tomar uma medida drástica. Em meio à tentativa de salvar a paridade da UST, o projeto Terra liquidou US$ 850 milhões em Bitcoin de suas reservas para comprar a stablecoin. No entanto, acabou fazendo o BTC cair mais e arrastar a Luna uma terceira vez – quedas do Bitcoin, vale lembrar, costumam afetar o mercado como um todo.

O cenário causou então o que os usuários tanto temiam – e os especialistas já haviam alertado: após a Luna despencar mais de 50%, a UST desabou de US$ 1 para US$ 0,60 na noite de segunda-feira (9).

A instabilidade obrigou a exchange Binance a interromper saques de Luna e UST, em uma espécie de circuit breaker – em certo momento, usuários relataram que os livros de ordens da exchange no par UST/USDT ficaram vazios.

Desde então, a UST tem passado por forte volatilidade, chegando a recuperar brevemente os US$ 0,90 antes de voltar a cair forte. Mesmo assim, o token ainda não conseguiu retomar sua paridade, o que parece cada vez mais difícil.

Já a LUNA está em uma situação ainda mais crítica valendo poucos centavos, apesar da tentativa de seus criadores de criarem soluções para salvar as duas criptos.

Até onde as criptomoedas vão chegar? Qual a melhor forma de comprá-las? Nós preparamos uma aula gratuita com o passo a passo. Clique aqui para assistir e receber a newsletter de criptoativos do InfoMoney

Compartilhe