Financiamento

Cripto se infiltra na política dos EUA e candidatos ofertam NFTs

Itens digitais estão sendo colocados à venda como meio de financiar campanhas para eleições nos estados

Por  Bloomberg -

(Bloomberg) – Os candidatos ao Congresso americano estão começando a entrar no mundo das criptomoedas ao vender tokens não-fungíveis ou NFTs para ajudar a financiar suas campanhas nas eleições intermediárias.

A democrata Shrina Kurani, uma engenheira que concorre a um assento na Câmara da Califórnia, e o republicano Blake Masters, que disputa o Senado no Arizona, ofereceram NFTs como incentivos para doadores, com níveis diferentes de sucesso.

Mas estes ainda são os primórdios da entrada da criptografia na política. Poucos candidatos lucraram com sua valorização, que inclui um ganho de 60% no valor do Bitcoin em 2021 e uma obra de arte NFT vendida por US$ 69,3 milhões em um leilão da Christie’s.

Um NFT é “cunhado” com um certificado digital exclusivo de autenticidade que usa a tecnologia blockchain, que cria o Bitcoin e outras criptomoedas. Mas ele deve ser mantido, vendido ou negociado como um ativo, em vez de usado como moeda, e custa dinheiro para ser produzido — assim como camisetas de campanha e outros brindes.

“NFTs são nossa mercadoria de campanha”, disse Kurani em entrevista.

Kurani, que se diz pioneira em distribuir NFTs para fazer campanha por meio de um mercado digital chamado SolSea, afirma que está oferecendo NFTs para buscar o apoio de uma geração mais jovem da mesma forma que o ex-presidente Donald Trump usou os chapéus “Make America Great Again” para arrecadar milhões de dólares de seus apoiadores.

Ela arrecadou apenas US$ 6.610 e distribuiu menos de uma dúzia de tokens quando a oferta terminou no final de dezembro.

Masters disse que arrecadou quase US$ 575.000 no final de dezembro ao prometer  a seus doadores tokens com a arte de um livro sobre startups que escreveu com o bilionário do Vale do Silício e o principal aliado de Trump Peter Thiel.

Os consultores de arrecadação de fundos dizem que a criptografia ainda está longe de se tornar uma fonte regular de contribuições, e ainda há dúvidas sobre a facilidade com que as regulamentações de financiamento de campanha podem ser contornadas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Desde que a Comissão Eleitoral Federal (FEC) dos EUA aprovou as contribuições de criptomoeda há quase oito anos, apenas cerca de uma dúzia de comitês de campanha receberam algum dinheiro por meio de moeda digital, segundo análise da FEC e compartilhada com a Bloomberg.

Esses comitês tiveram cerca de US$ 1 milhão em transações criptográficas durante um período em que milhares de comitês de campanha levantaram dezenas de bilhões de dólares.

Quer aprender a investir em criptoativos de graça, de forma prática e inteligente? Nós preparamos uma aula gratuita com o passo a passo. Clique aqui para assistir

Compartilhe