Crise grega

Criador do Grexit afirma: saída da Grécia seria um desastre

O país europeu tem até terça-feira para pagar US$ 1,8 bilhão de dólares para o FMI (Fundo Monetários Internacional)

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Em entrevista ao portal americano CNBC, Willem Buiter, economista-chefe do Citigroup, afirmou que seria um desastre a saída da Grécia da zona do euro.

Segundo ele, o risco real não é o impacto de um default na Grécia, uma vez que o BCE (Banco Central Europeu) tem condições de gerenciar a situação com ferramentas como a ativação de mecanismos como um programa de flexibilização monetária e compras bancárias de dívida soberana no mercado.

“Você pode lidar com a crise financeira. Você não pode, na minha opinião, lidar com o prejuízo do processo de integração da Europa. (…) Seria a primeira vez desde 1951 que um processo de integração baseado em tratados seria revertido. Seria um desastre”, afirmou. 

Aprenda a investir na bolsa

Quinta-feira, em confronto com Atenas, os credores internacionais gregos colocaram uma proposta final para reforma de capital aos ministros das Finanças da zona do euro, depois de longas negociações que não produziram plano algum para evitar um iminente default.

Desafiadores, os ministros gregos disseram que ficariam com suas próprias propostas, baseadas nos aumentos de impostos e contribuições sociais, enquanto os credores continuam afirmando que não irão aumentar a receita, que não é suficiente para “tapar o buraco orçamental aberto”.

O país europeu tem até terça-feira para pagar US$ 1,8 bilhão de dólares para o FMI (Fundo Monetários Internacional). Caso eles não cheguem em um acordo, Buiter afirma que a Grécia será forçada a entrar em default com seus compromissos do FMI e isto seria muito negativo. Não apenas para a Grécia, mas para outras economias ao redor que também estão altamente endividadas. Se, por um acaso, a Grécia e seus credores “‘chutarem a lata pela estrada’, o Fed deverá elevar a taxa de juros pela primeira vez em nove anos como se nada tivesse acontecido”, disse o economista.

Em contramão, se o processo explodir na Grécia, os investidores assustados vão inundar o mercado com dólar, o que seria um “fato sério de amortecimento para a expansão dos EUA.”, concluiu Buiter.