Entrevista ao Globo

Criador do BRIC diz que Brasil se perdeu no caminho, mas critica “moda de odiar o País”

Em entrevista, Jim O'Neill elogiou o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, afirmando que é a pessoa de que o Brasil precisa para restabelecer a credibilidade do país

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O criador do termo BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China), Jim O’Neill, foi entrevistado pelo Jornal O Globo e destacou que o Brasil se perdeu no caminho desde os últimos dias da gestão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Porém, ele enxerga um certo exagero no excesso de críticas ao País.

“A realidade é que os investidores são sempre movidos por ganância e medo. Estamos sempre entre os dois extremos. No que diz respeito ao Brasil, os sentimentos têm tido altos e baixos. Atualmente, está na moda odiar o Brasil. Mas aqueles com instinto mais aguçado, pensam: ‘Peraí!’. Eu mesmo estou pensando nisso. Você olha para o Brasil e para Índia. O retorno do mercado de capitais em dólar é grande. Mas o Brasil está barato frente à Índia”, afirmou.

Sobre os BRICs, O’Neill ressalta a “falta de decepção” com a China e os sinais de aceleração da Índia. Sobre Brasil e Rússia, a preocupação é maior principalmente pela dependência por commodities, que deixa essas economias um pouco “preguiçosas”. “Não implementam reformas em tempos de bonança e isso torna tudo mais difícil nos momentos ruins”, explica o economista.

Aprenda a investir na bolsa

Fim do BRIC é descartado
Apesar de dizer que o Brasil está claramente com problemas, O’Neill diz que é ridículo afirmar que o BRIC acabou. Ele ainda faz questão de elogiar o ministro da Fazenda, Joaquim Levy: “é a pessoa que o Brasil precisa para restabelecer a credibilidade do país. É bastante conservador do ponto de vista fiscal, respeita a importância da meta de inflação e espero que a presidente esteja dando a ele autonomia de verdade”. 

E ressalta: O’Neill contou ter ouvido do ministro uma perspectiva razoável, de que a tendência de crescimento para o país é de 3%, talvez 4%, se muitas medidas acertadas forem tomadas.