Mal retratado

Corretor quer tirar “O Lobo de Wall Street” de circulação e pede indenização de US$ 25 mi

Andrew Greene, que inspirou o personagem Nicky "Rugrat" Kossoff no filme, disse que está com dificuldades de arranjar emprego pela forma que foi retratado no filme

SÃO PAULO – Um antigo empregado da bolsa Stratton Oakmont, de Jordan Belfort, e retratado no filme “O Lobo de Wall Street”, está pedindo US$ 25 milhões aos produtores e distribuidores do filme do cineasta Martin Scorcese. 

Além disso, o norte-americano Andrew Greene, que inspirou o personagem Nicky “Rugrat” Kossoff no filme, quer que a produção saia de circulação. 

Segundo entrevista concedida ao portal norte-americano CNBC, ele afirmou que não foi retratado de uma maneira justa no filme. De acordo com ele, o longa o retratou como um degenerado e viciado em drogas inconsequente. Desta forma, ele tem encontrado dificuldades em arranjar emprego porque as pessoas o veem como o personagem. 

PUBLICIDADE

“Como eu vou sustentar minha família quando estou sendo retratado como um criminoso?” Greene disse. “Quando eu estou sendo retratado como alguém que lava dinheiro? Que eu sou um degenerado? Que eu usaria drogas durante meu dia de trabalho? Se você fosse um empregador, você me contrataria?”, afirmou.

O personagem centro da polêmica é interpretado pelo ator P. J. Byrne no filme, que conta a história de Jordan Belfort e é protagonizado por Leonardo DiCaprio. O filme foi indicado a cinco premiações no Oscar 2014.