Conta mais cara: o impacto da bandeira vermelha da Aneel na inflação e nas ações de elétricas

Agência retomou a política de bandeiras tarifárias por conta do baixo nível dos reservatórios e da retomada econômica após o pior momento da pandemia

Ricardo Bomfim

Publicidade

SÃO PAULO – A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) decidiu ontem retomar o sistema de bandeiras tarifárias, colocando bandeira vermelha Patamar 2 nas contas de luz, levando a um aumento no custo da energia, que impacta todos os setores da economia, pois encarece tanto as despesas das empresas como das famílias.

Vale lembrar que o sistema de bandeiras tarifárias estava suspenso desde maio para aliviar a capacidade dos consumidores de pagarem pela energia elétrica diante das medidas de isolamento social tomadas para conter a proliferação do coronavírus.

“Com a decisão de ontem à noite, a bandeira vermelha Patamar 2 estabelecerá a cobrança de R$ 6,24 para cada 100 kWh a partir de amanhã e até a próxima decisão de bandeira tarifária, que ocorrerá no final de dezembro”, explicaram os economistas do Itaú BBA em relatório.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Segundo Lisandra Barbeiro, analista da XP Investimentos, o efeito da bandeira vermelha no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), medidor oficial de inflação no Brasil, será um aumento de 45 pontos-base, ou 0,45 ponto percentual.

Assim, o IPCA no acumulado de 2020 atingiria 4,3%, acima dos 3,9% previstos anteriormente pelos economistas da corretora.

Já para 2021, a antecipação da cobrança defasada por conta da pandemia traria um efeito positivo de 30 pontos-base ou 0,3 ponto percentual. Deste modo, a inflação no ano que vem, pelas projeções da XP, cairia de 3,8% para 3,5%.

Continua depois da publicidade

Na mesma linha, a equipe de análise do Itaú BBA revisou sua projeção para praticamente os mesmos valores por conta do reajuste nas bandeiras tarifárias.

“Essa mudança trará pressão relevante para a inflação de curto prazo. Há, no entanto, alguns elementos que podem ofuscar a queda prevista para 2021, como um provável aumento nos valores de planos de saúde, motivo porque esperamos um IPCA de 4,3% em 2020 e de 3,1% para 2021.”

A ASA Investments também elevou suas projeções em relação ao IPCA para 4,4% em 2020 e para 3,2% em 2021. Todavia, a equipe de análise do grupo não acredita que choques na inflação de curto prazo tenham muita relevância para as decisões de política monetária do Banco Central.

“Nossa expectativa é de arrefecimento dos choques verificados em 2020 no caso dos alimentos e, em menor escala, sobre os bens industrializados. Com relação à próxima reunião de política monetária, projetamos que o BC ainda irá observar projeções de inflação abaixo do centro da meta em seu cenário base em 2021 (3,2% frente a uma meta de 3,75%) e em 2022 (3,3%, ano para o qual a meta é 3,5%)”, entendem os economistas da ASA.

Como consequência, mesmo que a inflação tenha um avanço maior que o esperado para 2020, o BC continuaria a defender uma Selic mais baixa por um período prolongado. “Mantemos nossa expectativa de que, dado o nível elevado de ociosidade presente na economia, o próximo ciclo de alta de juros deve acontecer apenas a partir de meados de 2022”, conclui a ASA.

Ações impactadas

A equipe de análise do Credit Suisse lembra que a decisão da Aneel foi tomada porque o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) espera que a demanda por energia cresça 4% para dezembro e publicou estimativas de que, por causa dessa demanda maior, os reservatórios podem cair para 15% na região Sudeste ate o final do mês.

Desse modo, o chamado GSF (Generation Scaling Factor), que mede o risco hidrológico para a geração de energia hidrelétrica, chegaria a 0,7 no quarto trimestre de 2020, o que representa um déficit de 30%.

Um GSF tão elevado, avaliam os analistas Carolina Carneiro e Rafael Nagano, do Credit Suisse, pressionaria as companhias envolvidas na geração de energia hidrelétrica como AES Tietê (TIET11), Cesp (CESP6) e Engie (EGIE3).

O banco alerta ainda que as chuvas são concentradas geralmente de janeiro a março, e portanto, seria necessário observar se a pluviosidade melhora durante o verão. O problema é que o fenômeno natural La Niña está confirmado este ano e costuma resultar em tempo mais seco para a porção sul da América Latina.

Por outro lado, para as distribuidoras seria levemente positivo nesse cenário que recursos já tenham sido antecipados para cobrir a potencial pressão de caixa vinda de maior geração térmica. “E isso implica que parte da potencial pressão tarifária para 2021 poderia ser compensada por essa antecipação”, completa o Credit. Dentre algumas distribuidoras com capital aberto na B3, estão Energisa (ENGI11), Equatorial (EQTL3), Light (LIGT3), CPFL (CPFE3), Energias do Brasil (ENBR3), Cemig (CMIG4) e Copel (CPLE6), entre outras.

É possível operar com apenas R$ 25? Analista mostra como fazer primeiro trade, bater metas de ganhos diários e controlar riscos. Inscreva-se de graça!

Ricardo Bomfim

Repórter do InfoMoney, faz a cobertura do mercado de ações nacional e internacional, economia e investimentos.