Consumidor compra mais carro, mas sobra menos para pagar o seguro

Até setembro, venda de autos cresceu 27,5% no ano, mas procura por apólices teve avanço de 5%, conforme o Sincor-SP

Por  Equipe InfoMoney -

SÃO PAULO – A popularização da indústria automotiva, impulsionada por cada vez mais facilidades na obtenção do crédito, não teve efeito no ramo de seguros para carros. Conforme o Sincor-SP (Sindicato dos Corretores de Seguro do Estado de São Paulo), o faturamento das empresas que fornecem apólices para veículos aumentou 5% no acumulado do ano até setembro, contra avanço de 27,5% nas vendas de autos no mesmo período, segundo a Fenabrave (Federação Brasileira da Distribuição de Veículos Automotores).

Um dos motivos apontados pelo fenômeno é o comprometimento da renda dos compradores. “Mas também houve uma concorrência acirrada entre as empresas, o que fez com que o seguro ficasse mais barato e refletisse nos ganhos do setor”, explicou o presidente do sindicato, Leôncio Arruda.

Números do setor

O mercado segurador como um todo cresceu 10% no período, em comparação com igual período de 2006. O faturamento das companhias que comercializam as proteções para autos continua respondendo por mais 45% do total. Dos R$ 28,5 bilhões acumulados até agora (excluindo VGBL e Saúde), mais de R$ 13 bilhões vieram exclusivamente dessas apólices.

A expectativa, contudo, é que até dezembro haja um crescimento na ordem de 12%. “Normalmente contrata-se seguro para efetuar o primeiro pagamento nos meses seguintes. Então o próprio desempenho de setembro não veio no mês, o que deve refletir nos próximos meses”, justificou.

Parcelamento

Concessionárias já chegam a oferecer 99 meses para o pagamento do veículo. Conforme a Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças), de outubro para novembro, o prazo médio de financiamento de carros saltou de 36 meses para 42 meses.

Mais prazo para bancar o carro, parcela menor, mas orçamento comprometido por mais tempo com a quitação da dívida. Na tabela abaixo, é possível verificar qual o peso da parcela, na opção de financiamento média. O exemplo utilizado é o de um modelo no valor de R$ 25 mil, com taxa de juro mensal fixada em 1,15%:

Diferença do gasto final
por tempo de financiamento
Valor do carroPrazo para pagamentoParcelaDesembolso final
R$ 25 mil42 mesesR$ 753,87R$ 31.662,37

Compilação InfoMoney

Expectativa

Para o ano que vem, a expectativa é que o aquecimento do mercado seja verificado apenas no meio do ano. “No segundo semestre, o consumidor estará mais capitalizado”, adicionou Arruda.

Conforme o presidente do Sincor-SP, para o seguro caber no bolso, muitos consumidores parcelam a contratação em dez meses, mesmo arcando com juros mensais que variam de 1,8% a 2,5%.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A apólice comercializada para um modelo popular fica por uma média de R$ 800. Pouco menos de 30% da frota brasileira é segurada.

Compartilhe