Fechamento

Como os dados dos EUA fizeram o Ibovespa cair 2,5% e o dólar recuar 2,4% na semana

Bolsa interrompeu uma sequência de cinco altas e teve queda forte

arrow_forwardMais sobre
Painel de vendas de ações
(Shutterstock)
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Mesmo com a alta nesta sexta-feira (4) acompanhando as bolsas americanas, o Ibovespa caiu 2,45% esta semana e interrompeu uma sequência de cinco altas semanais consecutivas. Ao mesmo tempo, o dólar caiu 2,39%, antecipando um possível corte nas taxas de juros dos Estados Unidos pelo Federal Reserve em meio a uma série de dados negativos na maior economia do mundo.

Além da atividade industrial dos EUA, que caiu para o menor nível em dez anos, a 47,8 pontos em setembro segundo o índice ISM, o indicador de serviços também recuou, de 56,4 pontos em agosto para 52,6 pontos no mês passado, mostrando que diversos setores estão sendo impactados pelo desaquecimento econômico.

O Relatório de Emprego americano divulgado hoje também mostrou uma criação de vagas abaixo da esperada, mas não indicou uma desaceleração tão acentuada como os outros números.

Aprenda a investir na bolsa

Na semana que vem, o investidor acompanhará na quinta-feira (10) os dados de inflação ao consumidor, que serão importantes balizadores da política monetária do Fed. Se os números vierem abaixo do esperado, podem pressionar o banco central dos EUA ainda mais a reduzir as taxas.

Hoje, o presidente do Fed, Jerome Powell, afirmou que a economia americana está andando apesar dos obstáculos que enfrenta e a função do Fed é proporcionar que isso continue assim no futuro. Após as declarações, as bolsas dos EUA terminaram em altas em torno de 1,4%.

As falas do chairman ajudaram a Bolsa a reverter as perdas do início do pregão e subir 1,02%, a 102.551 pontos, com volume financeiro negociado de R$ 15,378 bilhões.

De acordo com o gestor do fundo XP Macro, da XP Investimentos, Júlio Fernandes, apesar dos indicadores negativos, as perspectivas são boas para as próximas semanas, pois o dado de emprego revelou que a desaceleração americana existe, mas não é tão acentuada como mostravam.

“Os dados retiram a preocupação de uma desaceleração mais brusca. Mesmo assim, o Fed deve cortar juros para prevenir que uma recessão mais forte no futuro. É importante continuar ancorando as expectativas para manter as condições financeiras acomodativas”, explica.

Enquanto isso, o dólar comercial teve queda de 0,8% a R$ 4,0561 na compra e a R$ 4,0569 na venda. O dólar futuro para novembro recua 0,82% a R$ 4,0595.

PUBLICIDADE

Nos juros futuros, o DI para janeiro de 2021 cai dois pontos-base a 4,86%, DI para janeiro de 2023 recua um ponto-base a 5,97% e o DI para janeiro de 2025 tem queda também de dois pontos-base, a 6,58%.

Por aqui, busca-se um acordo na divisão dos recursos do megaleilão do pré-sal, que ainda divide senadores e deputados e ameaça paralisar a tramitação da reforma da Previdência, que só precisa ser aprovada em segundo turno no Senado para finalmente ser enviada à sanção presidencial e passar a valer.

O governo entrou com uma solução conciliadora, dividindo os R$ 106,5 bilhões do leilão de modo que estados, municípios e parlamentares fiquem cada um com 10% ante os 15% anteriormente combinados, que seriam repartidos entre prefeitos e governadores. Mais 3% seriam distribuídos aos estados produtores de petróleo.

Na avaliação de Fernandes, embora tenha sido uma má notícia a aprovação ao destaque da reforma que barrou mudanças no abono salarial (e consequentemente desidratou em R$ 76 bilhões a potência fiscal do texto), se as alterações pararem por aqui o caminho seguirá livre para o Ibovespa buscar novamente as máximas anteriores, nos 105 mil e 106 mil pontos.

No corporativo, destaque para o pedido da Caixa de falência da Odebrecht. Destaque ainda para as declarações do secretário especial de desestatização, Salim Mattar, de que o governo não pretende privatizar em seu mandato a Caixa, o Banco do Brasil e a Petrobras.

Payroll

Os Estados Unidos criaram 136 mil novas vagas de emprego em setembro, segundo dados divulgados pelo Departamento do Trabalho nesta sexta.

O resultado veio abaixo da mediana das projeções dos economistas consultados pela Bloomberg, que esperavam um acréscimo de 145 mil empregos. Em julho, a criação de empregos foi de 130 mil.

Já a taxa de desemprego em setembro ficou em 3,5%. A expectativa era de manutenção em 3,7%.

PUBLICIDADE

Enquanto isso, não houve ganho médio salarial por hora ante o mês anterior, ante expectativa de alta de 0,2% no comparativo mensal.

Noticiário Corporativo

Com dívidas de cerca de R$ 100 bilhões e em processo de recuperação judicial (RJ), a Odebrecht enfrenta, agora, um pedido de falência de um dos seus maiores credores, a Caixa. O banco estatal busca ainda que a Justiça dê aos credores o direito de nomear novos administradores para o conglomerado e suas subsidiárias em uma assembleia. Já o Banco do Brasil (BBAS3) solicitou à Justiça a anulação da RJ, obrigando o grupo a apresentar uma nova proposta, diz a Folha.

Enquanto isso, a Braskem (BRKM5), principal ativo do grupo Odebrecht, anunciou ontem a distribuição de dividendos obrigatórios correspondentes a 25% do lucro líquido ajustado, no montante de R$ 667,418 milhões. Os dividendos serão pagos com base na posição acionária de hoje, porém a empresa ainda não divulgou a data.

Ainda no corporativo, destaque para as declarações do secretário especial de desestatização, desinvestimentos e mercados, Salim Mattar, de que a Caixa, o Banco do Brasil e a Petrobras (PETR3PETR4) não serão privatizadas pelo governo do presidente Jair Bolsonaro. Segundo ele, porém, Bolsonaro é favorável ao movimento de privatizações e de redução do tamanhos do Estado. No caso da Eletrobras, Mattar ressaltou que a sua venda depende do Congresso.

A Gol informou os dados prévios de setembro, que apontaram, no mercado doméstico, aumentos de 7% na oferta (ASK) e de 11,5% na demanda (RPK). A taxa de ocupação doméstica ficou 82,0%, alta de 3,3 p.p. ante setembro do ano passado. De forma consolidada, com as operações internacionais, a oferta avançou 11,0%, com o aumento de 10,7% no total de assentos e de 10,1% de decolagens. A demanda total subiu 15,5% e a taxa de ocupação foi 81,2%.

(Com Agência Estado, Agência Brasil e Bloomberg)

 

Invista melhor seu dinheiro: abra uma conta gratuita na XP

PUBLICIDADE