Coffee & Stocks

Como o Free Fire pode fazer da Shopee uma potência do e-commerce brasileiro

Crescimento da companhia vem de um dos games mais jogados do mundo. Entenda como isso pode ajudar a Shopee.

De todos os players do e-commerce a brasileiro, a recém-chegada Shopee certamente é a de origem mais inusitada. Se Americanas (LAME4) e Magalu (MGLU3) nasceram de varejistas tradicionais, e o Mercado Livre nasceu como uma loja online, a Shopee tem suas origens em uma produtora de games. E isso pode fazer toda a diferença para a companhia.

No Coffee & Stocks desta quinta-feira recebemos Javier Tello, da RPS Capital, que explicou como a ligação da Shopee com o jogo Free Fire pode ajudar a companhia em seu crescimento no Brasil e quais as dificuldades que a empresa pode ter para adaptar sua estratégia vencedora no sudeste asiático por aqui.

Abaixo os principais trechos da conversa. 

Impulso do Free Fire

A Shopee é uma empresa da Sea (S2EA34), grupo de Cingapura dono da Garena, que publica o Free Fire, jogo para celular que tem 350 milhões de usuários mensais. É uma sensação global que gera US$ 3 bilhões de receita. 

O que o grupo fez, com muito sucesso, foi transformar jogadores em clientes do e-commerce. No Brasil, o Free Fire tem 50 milhões de usuários ativos e a Shopee já conseguiu 80 milhões de downloads. É uma conversão muito boa.

Adaptação

A companhia conseguiu se adaptar a vários países com muito sucesso, mas no Brasil o maior desafio é o logístico. A Shopee tem muita capacidade de ser agressiva nos preços, mas no prazo de entrega, não. A empresa é muito dependente dos Correios, o que prejudica prazos de entrega e custos.

Futuro

Hoje a Shopee atinge um público de menor renda e os artigos vendidos no e-commerce são de menor custo em comparação com os incumbentes. O que falta entender é: de onde vai vir o crescimento da Shopee, do market share dos concorrentes ou de uma maior penetração do e-commerce no Brasil.

PUBLICIDADE