DAOs

Como as organizações autônomas descentralizadas estão mudando a forma de trabalhar

Um dos primeiros e mais visíveis efeitos das DAOs será a extrema transparência que trazem para as operações dos negócios

Por  CoinDesk -

*Por Paul Brody

As organizações autônomas descentralizadas (DAOs, na sigla em inglês) existem há alguns anos, mas somente agora estão começando a impactar a forma como instituições e empresas são dirigidas e organizadas. À medida que elas se espalham, vão inaugurando uma nova maneira de trabalhar e uma nova era de competição digital ferrenha, ao mesmo tempo que transformam os modelos tradicionais.

Um dos primeiros e mais visíveis efeitos das DAOs será a extrema transparência que trazem para as operações dos negócios. Quase qualquer parte interessada na maioria das DAOs pode apresentar uma proposta de governança e votar nela. Na maioria das vezes, essas sugestões se assemelham a resoluções de acionistas para grandes empresas, embora possam ser muito mais específicas. Equipes de projetos já foram sumariamente encerradas e indivíduos removidos de seus empregos por causa de seus comportamentos fora do trabalho.

A rescisão de uma equipe de projeto em uma DAO estabelecida oferece um bom exemplo de tal rescisão. Os votantes aprovaram uma proposta para encerrar a alocação orçamentária para uma equipe porque ela não havia feito nenhum progresso útil em um período significativo. Tentei classificar as alegações e os contra-argumentos, mas não foi possível. A equipe tinha poucas métricas de sucesso claras e publicadas, mas o debate sobre a proposta acabou sendo altamente subjetivo.

Os primeiros dias foram envoltos nesses tipos de batalhas de governança. Minha conclusão imediata foi que, se eu estivesse trabalhando para uma DAO, gostaria de ter métricas claras e boa documentação. Essa transparência extrema ajudaria a tornar as pessoas mais receptivas. Um ciclo de feedback implacável e sem fim é uma das razões pelas quais os serviços de transporte por aplicativo são consistentemente bons, apesar de serem feitos por terceiros.

  • Assista: Inflação e crise global podem afundar o Bitcoin? Veja três criptos para se proteger

A transparência extrema não apenas transformará a forma como as pessoas trabalham, mas também a concorrência. O produto entregue por muitas DAOs é um protocolo. E embora o software possa ser protegido por direitos autorais, a lógica subjacente dos protocolos não é algo que você possa esconder. De estruturas de incentivo a algoritmos importantes, quase tudo entregue por DAOs é totalmente público. Isso significa que as boas ideias se espalham rapidamente e as inovações são construídas uma em cima da outra com rapidez.

O resultado pode ser um mercado digital mais implacavelmente competitivo do que nunca. A natureza sem permissão (que permite a participação de todos), descentralizada e interoperável dos ecossistemas de blockchain significa que as empresas têm muito menos poder de bloqueio sobre seus clientes. Quando um protocolo ou serviço concorrente está disponível e oferece um resultado melhor, as mudanças de market share podem ocorrer rapidamente. Desenvolvimentos recentes em exchanges descentralizadas mostram que até mesmo pequenas melhorias de desempenho ou custo viraram a participação de mercado de cabeça para baixo. Será notavelmente difícil para as entidades blockchain avançarem para o futuro com base na força do trabalho passado.

Mudando a governança

Outra maneira pela qual as DAOs provavelmente transformarão as organizações é permitindo sistemas de governança mais engajados. A capacidade de delegar poder de voto é um avanço porque a maioria das partes interessadas (e isso ocorre em empresas tradicionais também) não têm tempo ou capacidade para acompanhar as diferentes questões que surgem. Com a votação delegada, as pessoas podem se concentrar em áreas ou empresas específicas, levando a níveis mais altos de engajamento.

Nas democracias, empresas da Fortune 500, DAOs e em outras grandes organizações, são poucas as partes interessadas que realmente contribuem de forma ponderada para a governança. Isso não é uma falha moral; em vez disso, é um desafio prático. Por exemplo, eu tenho ações em fundos do índice S&P 500, mas não consigo rastrear a gama de questões em aberto nem mesmo em uma fração das empresas presentes nesses produtos financeiros.

Prefiro delegar meus direitos de voto a especialistas. Também prefiro atribuir meus votos a pessoas que se preocupam com as mesmas questões que eu, incluindo combustíveis fósseis e igualdade de oportunidades. Quero que minha voz de acionista conte mais do que hoje em dia.

Tudo isso não é um terreno inteiramente novo. Parcerias, cooperativas e modelos de governança colaborativa existem há muito tempo e têm seus méritos. Essas organizações tendem a durar muito tempo, e não parecem ser vítimas de CEOs com egos gigantes quando as pessoas debatem e votam em grandes questões.

As parcerias já possuem um poderoso modelo de staking (processo de manter ativos digitais em uma rede para ajudar na segurança e receber juros). Confie em mim, emprestar várias centenas de milhares de dólares para comprar uma parceria é tão válido quanto qualquer outra metodologia de staking. A diferença é que as novas ferramentas de votação digital e recursos de delegação fazem com que as funções de sócio ou stakeholder fiquem mais práticas do que no passado.

Às vezes, você precisa de uma nova tecnologia para tornar as ideias antigas poderosas novamente.

*Paul Brody é líder global de blockchain da EY (Ernst & Young). Sob sua liderança, a EY estabeleceu uma presença global no espaço blockchain com foco particular em blockchains públicos, garantia e desenvolvimento de aplicativos de negócios no ecossistema Ethereum.

Até onde as criptomoedas vão chegar? Qual a melhor forma de comprá-las? Nós preparamos uma aula gratuita com o passo a passo. Clique aqui para assistir e se inscrever na newsletter de criptoativos do InfoMoney.

Compartilhe