Como a WEG pretende manter o seu ritmo de crescimento após resultado surpreender

A companhia aposta em transmissão e distribuição para manter crescimento no exterior

Camille Bocanegra

Publicidade

Após surpreender positivamente o mercado com números melhores que o esperado e apresentar alta de 6,98% nos papéis na sessão de quarta-feira, a WEG (WEGE3) destacou que tem planos para continuar seu ritmo de crescimento em teleconferência com o mercado, ocorrida na última quinta-feira (22)

Em relação aos resultados, se o terceiro trimestre de 2023 da fabricante de motores elétricos foi marcado por números mais fracos que o esperado, no quarto período do ano passado os dados da companhia impressionaram com crescimento da receita operacional líquida em 7,3% e avanço de 17,3% no lucro antes de juros, impostos, depreciações, amortizações (Ebitda, na sigla em inglês). A receita resulta das sólidas expansões de capacidade realizadas pela companhia tanto nacional quanto internacionalmente.

Duas letras explicam, entre outros fatores, o bom desempenho: T&D (transmissão e distribuição). O desempenho é explicado tanto pelo aumento de volumes quanto de preço também. Na teleconferência para comentar o balanço divulgado, a administração reforçou a continuidade do bom desempenho de vendas de equipamentos de ciclo longo do segmento, somado aos números de equipamentos de energia eólica também, no Brasil. A perspectiva é construtiva para 2024, considerando o robusto backlog de ciclo longo praticado atualmente pela WEG.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Lá fora, o destaque também é GTD (geração, transmissão e distribuição de energia). O negócio tem apresentando demanda cada vez mais elevada nos EUA, que deve ser crescente, de acordo com o diretor administrativo da companhia, André Rodrigues. O executivo destacou o setor de T&D como um dos motivos para movimento de aquisição empreendido pela companhia nos últimos anos, tanto no Brasil quanto na América do Norte e Europa. “A dinâmica de mercado de T&D continuará positiva e por isso estamos fazendo esses investimentos”, considera Salgueiro. 

“A receita tem seguido as expectativas da empresa; resulta de sólidas expansões de capacidade realizadas tanto nacional quanto internacionalmente. A WEG espera que essa tendência positiva continue por alguns anos”, analisa o Itaú BBA.

Em relação ao plano de investimentos, a companhia não tem perspectivas de alteração em 2024 do já anunciado valor de R$ 1,9 bilhão, mesmo considerando incorporação de novo negócio. Nos planos da WEG para este ano, estão o aumento da capacidade doméstica para T&D, visando exportações e de motores industriais, pacotes de baterias e motores comerciais e eletrodomésticos. Para o exterior, a companhia planeja aumento da capacidade externa para T&D e tintas na América do Norte e foca em motores de baixa voltagem e turbinas eólicas na Índia.

Continua depois da publicidade

Um ponto de preocupação para analistas na teleconferência com a administração foi a normalização das margens. A WEG destacou que a margem Ebitda pode cair para patamares próximos aos observados em 2020 a 22. Contudo, no quarto trimestre de 2023, a margem da companhia se manteve em bom nível, com crescimento de 1,9% na comparação anual (em 21,4%).

O JPMorgan ressaltou que a WEG deve apresentar acomodação nas margens, mas que devem permanecer acima dos níveis históricos. O aumento é atribuído à estabilização de preços nas matérias-primas, melhoria na composição, com menor contribuição para projetos solares, e uma estratégia mais voltada para o ciclo longo e T&D (pontos fortes da companhia no período). O banco estrangeiro atualizou suas estimativas para a WEG após os dados do quarto trimestre de 2023, ainda classificada como overweight (exposição acima da média, similar à compra) com preço-alvo de R$ 47,00 e avalia que a WEG negocia a 18,8 vezes o valor da empresa sobre o Ebitda (EV/Ebitda, na sigla em inglês) para fim de 2024. Os concorrentes do setor negociam a múltiplos mais baixo, com média de 15 vezes a relação entre EV sobre Ebitda.

“Continuamos com uma recomendação de overweight (OW) na WEG devido a: i) sua capacidade de crescimento a longo prazo, tanto organicamente quanto inorganicamente – as receitas estrangeiras no 4º trimestre foram 14% maiores em relação ao ano anterior em termos de dólares americanos; ii) Perspectiva positiva para T&D (Transmissão e Distribuição) na América do Norte, o que deve sustentar um crescimento de dois dígitos ao longo de vários anos, especialmente após a adição da Regal (55% das receitas geradas nas Américas); e iii) reavaliação do valuation”, sustenta o JPMorgan.

A reavaliação de avaliação poderia ser causada pela que a incorporação da Regal aos resultados da WEG, o que é esperado para o 2º trimestre de 2024. A alteração poderia refletir uma aceleração no crescimento das receitas de volta aos níveis de dois dígitos. A expectativa do banco é de crescimento de 17% em relação ao ano anterior no 2º trimestre, em comparação com 7% no 1º trimestre e 24% ao longo do 2º semestre de 2024 em relação ao ano anterior.

A cautela de alguns analistas, como Bradesco BBI e Itaú BBA, com o nome é motivada pela avaliação da ação e a possibilidade de convergência das margens. A divisão de análise do Itaú classifica o nome como market perform (performance de mercado, equivalente à neutro), com preço-alvo estabelecido em R$ 38,50 para fim de 2024. O BBA admite, no entanto, que ainda não há perspectiva de redução de margens no período.

“Embora o ciclo positivo para T&D deva continuar nos próximos trimestres, esperamos que a margem EBITDA da WEG chegue a convergir para cerca de 19%. Este fator, juntamente com: (i) a incorporação das operações adquiridas e (ii) a nova regra de preço de transferência que pode reduzir pela metade o benefício líquido da WEG, pode resultar em uma queda de -9% no lucro líquido na comparação anual em nossa estimativa”, pontua BBI.

Ainda que veja que os resultados apresentados no trimestre foram sólidos, o banco considera a WEG como neutra, com preço-alvo de R$ 38,00, por apresentar avaliação elevada de 31 vezes o preço sobre o lucro (P/L) para final de 2024. A avaliação é considerada 20% acima da média histórica para a companhia.