Com preços baixos e vendas maiores, Wal-Mart supera estimativas trimestrais

Lucro fechou o período em US$ 3,02 bilhões; estimativas apontam para avanço de até 2% nas vendas do segundo trimestre

Por  Giulia Santos Camillo -

SÃO PAULO – O Wal-Mart, maior rede de varejo do mundo, divulgou os resultados do primeiro trimestre de 2008 nesta terça-feira (13), período no qual a empresa registrou lucro líquido de US$ 3,02 bilhões, ou US$ 0,76 por ação.

Em comparação com o registrado no primeiro quarto de 2007, quando registrou ganhos de US$ 2,83 bilhões, a cifra corresponde a um aumento de 6,9%. O resultado também ficou acima das estimativas do mercado em cerca de 1%.

Já a receita líquida da empresa apresentou crescimento de 10,2%, passando de US$ 85,4 bilhões no primeiro trimestre de 2007 para US$ 94,1 bilhões neste ano.

Preços baixos e qualidade

De acordo com Lee Scott, CEO do Wal-Mart, este ano teve um início sólido para a empresa, com recordes de vendas e lucro baseados em um modelo de negócio iniciado por Sam Walton, no qual se vende “mercadoria de marca mais barata”.

Na opinião de Scott, o diferencial da empresa é justamente ser a “líder em preços e a melhor no serviço ao cliente e continuar implantando melhorias operacionais”, o que levou ao crescimento das vendas globais, apesar das turbulências financeiras.

Com os descontos de até 30% atraindo os consumidores, a empresa está superando as vendas das suas maiores rivais, Target Corp e Sears Holdings.

Perspectivas

Para o segundo trimestre, a empresa estima que as vendas em lojas comparáveis nos EUA seja de até 2%. Já as previsões de lucro por ação ficam entre US$ 0,78 e US$ 0,81.

Após a divulgação dos resultados, as ações do Wal-Mart são negociadas com desvalorização de cerca de 2,5% no pré-market de Wall Street, dadas as projeções para os próximos trimestres, abaixo das estimativas prévias dos analistas.

Compartilhe