Balanço de educação

Cogna (COGN3) reduz prejuízo em 25,2% para R$ 121,8 milhões no terceiro trimestre

Margens da empresa melhoraram, mas receita continua sendo impactada no ensino presencial

Por  Equipe InfoMoney -

SÃO PAULO – A Cogna (COGN3) reportou prejuízo líquido ajustado de R$ 121,8 milhões no terceiro trimestre de 2021 (3T21). O resultado representa uma redução de 25,2% em relação ao mesmo período de 2020.

A receita líquida somou R$ 1,168 bilhão, retração de 7% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Segundo a Cogna, a queda da receita se deve as pressões de receita no ensino superior presencial e em Vasta, cujos resultados foram parcialmente compensados pelos crescimentos observados nas receitas de ensino superior EAD e PNLD.

O lucro antes do juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) recorrente cresceu 2,7% na comparação com igual etapa de 2020, totalizando R$ 235,3 milhões.

Já a margem Ebitda recorrente alcançou 20,1% no 3º trimestre de 2021, alta de 1,9 p.p. na comparação com igual trimestre de 2020.

De acordo com a Cogna, a melhora no desempenho aconteceu em função da melhora de performance no recebimento, uma maior adimplência dos alunos e uma maior eficiência nas despesas com marketing e corporativas.

“Essa melhora em adimplência refletiu em uma menor provisão para créditos de liquidação duvidosa (PCLD) no ensino superior pagante e nos produtos de parcelamento (PEP/PMT) comparado ao 3T20”, explica a companhia.

A geração de caixa ajustado somou R$ 192,9 milhões entre julho e setembro de 2021, aumento de 5,2% na comparação com igual etapa do ano passado.

O lucro bruto recuou 10,6% no trimestre, somando R$ 752,9 milhões.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A margem bruta atingiu 64,4% no terceiro trimestre deste ano, redução de 2,7 p.p. em relação ao mesmo período de 2020.

O resultado financeiro líquido foi negativo em R$ 212 milhões, 18,7% a maior na comparação anual.

Segundo a Cogna, o resultado é consequência do efeito do aumento da taxa básica de juros que aumentou a rubrica de juros sobre empréstimos, efeito parcialmente compensado pelo impacto causado na rubrica de juros sobre aplicações financeiras.

Endividamento

A dívida líquida da Cogna encerrou setembro de 2021 em R$ 2,983 bilhões,

Dessa forma, o índice de alavancagem, medido pela relação entre dívida liquida e o Ebitda líquido foi de 2,07 vezes, uma redução de 0,11 p.p. em relação ao 3T20.

A Cogna destaca a conclusão do alongamento do perfil da dívida com a emissão de debêntures no montante de R$ 900 milhões, captação de R$ 500 milhões na Vasta e extensão do prazo de pagamento de emissão de debêntures de R$ 220 milhões. Com as operações, o prazo médio da dívida foi de 22 meses para 28 meses.

Cogna investe menos refletindo novo patamar de receita

O Capex e os investimentos em expansão da companhia reduziram 24,5% na comparação anual, refletindo o novo patamar de receita.

O investimento em desenvolvimento de conteúdos, de sistemas e de licenças de software manteve-se como o principal destino da alocação de recursos com 65% do total investido, alinhado à estratégia de digitalização.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os investimentos em expansão mantiveram patamar relevante com 35% do total, devido à gastos incorridos em virtude do processo de reestruturação da Kroton já previstos desde o início do 2021 e informados ao longo do ano.

Aprenda a transformar a Bolsa de Valores em fonte recorrente de ganhos. Assista a aula gratuita do Professor Su e descubra como.

Compartilhe