Cogna (COGN3): analistas destacam novo guidance e projetam melhores perspectivas para 2024

Apesar do otimismo, por parte da empresa, analistas ainda seguem com recomendação neutra para ação

Camille Bocanegra

Publicidade

A Cogna (COGN3) realizou seu Investor Day na quinta-feira (7) e apresentou novo guidance (previsão) de lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (Ebitda, na sigla em inglês). Dentre os destaques para analistas, além da revisão de guidance, estão as boas perspectivas para 2024 e o compromisso com a geração de caixa e desalavancagem.

As ações da companhia caem 2,12% na tarde desta sexta-feira, por volta das 14h15, cotadas a R$ 3,23.

Em análise sobre o evento, o research da XP destacou que as empresas do setor deverão manter o ambiente competitivo mais positivo, como visto em 2023.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

“O evento nos deu uma melhor visão sobre o caminho que a empresa está seguindo e, apesar de ver isso de forma positiva, a ação ainda é negociada ao maior múltiplo entre o valor da empresa (EV) sobre o Ebitda para 2024, dentro da nossa cobertura, de 6,7 vezes”, considera a XP, que recomenda o nome como neutro, com preço-alvo em R$3,30.

O guidance do Ebitda foi revisado para R$ 2,1 bilhões, ante os R$ 2,4 bilhões anteriores. Mesmo com a atualização, a projeção segue maior que as estimativas do mercado e apresenta potencial positivo na comparação. O número ainda pode ser alterado de acordo com a captação da Kroton em 2024.

De acordo com o Morgan Stanley, a companhia demorou para revisar a meta, que ainda se apresenta muito superior ao observado em 2022.

Continua depois da publicidade

“Embora as estimativas de mercado estivessem significativamente abaixo da orientação do Ebitda após a segunda onda da Covid-19 e a reviravolta, a Cogna levou muito mais tempo para revisar sua meta; na verdade, a nova faixa de orientação é mais alta do que o consenso atual e muito maior do que há um ano (R$ 1,8 bilhão)”, considera o Morgan Stanley sobre a revisão.

No geral, a visão do banco estrangeiro é que a Cogna se apresenta como uma das empresas mais “inovadoras” e “culturalmente bem posicionadas” para que possa explorar novos impulsionadores da educação brasileira.

Entre pontos que podem trazer impulsos para o setor, está o uso de inteligência artificial generativa (GenAI) e a companhia mostrou-se comprometida para fomentar crescimento em novos negócios.

Além disso, a companhia continua apostando em graduações de medicina, com destaque para a marca Kroton Med. A Cogna também tem buscado oportunidades no setor através de fusões e aquisições, com foco em negociações menores e que envolvam vagas para cursos de medicina.

“A administração não espera fechar grandes acordos transformacionais na educação superior, mas está aberta a fusões e aquisições estratégicas focadas em novos negócios ou vagas em cursos de medicina, que continuam sendo consideradas atrativas, embora difíceis de justificar devido às altas taxas de juros e à regulamentação incerta”, comenta o Morgan Stanley.

O banco considera o nome como equal-weight (equivalente a neutro), com preço-alvo estabelecido em R$ 3,00.

Reforço em geração de caixa operacional

A Cogna também reafirmou sua geração de caixa operacional (OCG) após gastos de capital de R$ 1 bilhão, com crescimento de 44-64% e 85%, respectivamente, em relação ao observado em 2022.

“A geração de caixa foi uma discussão importante no evento, tendo em vista que a posição de caixa da empresa está em um valor próximo ao das dívidas com vencimento em 1 ano ou menos (considerando apenas as dívidas financeiras).

Sobre esse assunto, a empresa afirmou que vai melhorar a geração de caixa operacional (GCO) ao mesmo tempo em que reduzirá o capex em relação à receita”, considera a XP.

Para o Bradesco BBI, a companhia demonstrou maior potencial de ganhos e “uma forte execução da empresa na reversão de resultados, apesar dos anos desafiadores para o ensino superior, colocando-a em uma boa posição para proporcionar um crescimento robusto e fluxo de caixa livre positivo no futuro”.

O banco segue otimista em relação ao nome, em especial pela avaliação mais atrativa e elevou o preço-alvo para R$ 4,50, dos R$ 3,20 anteriores, ao incorporar as projeções atualizadas para 2024.

Mas, mesmo assim, a classificação dos papéis da Cogna segue Neutra, pois há mais potencial de valorização em nomes como Yduqs (YDUQ3), Anima ([ativo=ANIM3) e Vitru ([ativo=VTRU3]) para o BBI.