Citi sugere venda para ações do Pão de Açúcar, já acima do preço-alvo estimado

Analistas reuniram-se com Abílio Diniz, acionista controlador do grupo, para discutir questões pertinentes à companhia

Por  Equipe InfoMoney -

SÃO PAULO – Em reunião com o empresário Abílio Diniz, acionista controlador e presidente do conselho do Grupo Pão de Açúcar (PCAR4), o Citi discutiu questões que considera pertinentes ao desempenho das ações da companhia, assim como seus projetos para o longo prazo.

Diniz declarou que a situação do balanço da empresa tem sido responsável por provê-la de condições para consolidar sua participação no mercado varejista e atravessar a crise sem grandes apuros.

Quanto à concorrência, porém, o empresário reconhece a força global do Wal-Mart, mesmo que este não venha, segundo entende Diniz, sendo bem sucedido em termos de crescimento orgânico no Brasil. Outro importante player apontado foi o Carrefour, tido como um dos maiores pares do Pão de Açúcar no segmento de varejo.

Extra-Assai e Ponto Frio

O formato combinado Extra-Assai enche de expectativas o empresário, confiante na capacidade do combo em melhorar a performance da rede Extra.

Quanto ao Ponto Frio, Diniz entende que este deve trazer seu know-how, escala e base bem consolidada de consumidores de eletrônicos para todo o grupo, permanecendo ainda como uma companhia independente.

Em última análise, a perspectiva da fusão é de que o Ponto Frio viabilize ao Pão de Açúcar um ganho de escala em seu mercado de atuação.

Visão do Citi

A recomendação do Citi quanto às ações do grupo é de venda, estando estas associadas a um risco médio. O preço-alvo é de R$ 36,00, já superado pelas sucessivas valorizações do papel.

Compartilhe