Citi diz preferir Bombardier, após reduzir recomendação dos ADRs da Embraer

Analista rebaixa rating para "manutenção", depois se reunir com executivos da fabricante; preço-alvo cai para US$ 27,00

SÃO PAULO – O Citigroup afirmou na última segunda-feira (23) que prefere as ações da Bombardier ao invés dos papéis da Embraer. A escolha é fruto da redução na recomendação atribuída à brasileira, que teve o preço-alvo das suas ADRs (American Depositary Receipt) modificado para baixo.

De acordo com Stephen Trent, analista do Citi, o banco decidiu mudar a recomendação das ações brasileiras de compra para manutenção, após uma reunião com a administração da brasileira. A conclusão foi de que as estimativas anteriores estavam muito otimistas para o horizonte de curto prazo da Embraer.

“Nós vimos poucos ganhos depois do resultado do terceiro trimestre”, comentou o especialista, que acredita que a empresa está apenas “seguindo seus concorrentes”. O preço-alvo dos ADRs da fabricante foi cortado de US$ 33,00 para US$ 27,00, com base nos próximos 12 meses.

Reunião com gestores

Segundo Stephen Trent, a recente conversa com os executivos da Embraer não revelou a porcentagem específica dos ganhos esperados com acordos de venda de aviões para o governo brasileiro.

“Os administradores sinalizaram que ‘a transferência de tecnologia’ será o principal driver dos resultados da Embraer e não os eventuais acordos militares com o Brasil”, informou o analista.

Trent considerou ainda a possibilidade de que sejam adotados padrões mais restritos para a emissão de poluentes nos aviões, dependendo da reunião marcada para discutir o assunto na Dinamarca, no próximo mês.

“Uma implementação mais gradual desses padrões implicaria na necessidade de encontrar novas tecnologias para os E-jets”, concluiu o Citi.

Por outro lado, o analista manteve a recomendação de compra para as ações da Bombardier, esperando que a empresa se beneficie de oportunidades no mercado asiático.