Cielo: controladores propõem elevar preço de OPA; decisão é adiada por assembleia

Controladores aceitaram elevar preço desde que minoritários não votem pela realização de novo laudo de avaliação

Felipe Moreira

Publicidade

A Cielo (CIEL3) informou nesta manhã de terça-feira (2) que seus controladores aceitaram elevar o preço da oferta para fechamento de capital (OPA) de R$ 5,35 para R$ 5,60, desde que os acionistas minoritários não votem pela realização de novo laudo de avaliação da empresa.

O novo preço da OPA representa um prêmio de 3,3% frente a cotação de fechamento de segunda-feira (1º), de R$ 5,42. Laudo produzido pelo Bank of America, usado como contra-argumento dos minoritários e rebatido pela Cielo, sugere o preço de R$ 8,61 por ação para a OPA.

A nova proposta dos controladores, de R$ 5,60, foi apresentada durante a Assembleia Especial realizada hoje, a partir das 10h, que tinha como pauta inicial votar a demanda dos acionistas minoritários para a realização de um novo laudo de avaliação.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Em fato relevante, do final da manhã, contudo, a Cielo informou que a assembleia, que chegou a ser aberta, foi suspensa e será retomada em 23 de abril, após um grupo de minoritários pedir mais tempo para avaliar a nova oferta dos controladores. 

Por volta das 12h45, as ações da Cielo subiam 0,74%, cotadas a R$ 5,46, cifra inferior ao novo valor proposto pelos controladores para a OPA. Na máxima do dia, CIEL3 foi a R$ 5,49 e, na mínima, a R$ 5,38.

Cielo (CIEL3): fechamento de capital

O acordo envolve os controladores, Banco do Brasil (BBAS3) e Bradesco (BBDC4), e as gestoras de recursos Encore, Clave, XP, AZ Quest, Vinland Capital e Absolute, que detêm aproximadamente de 7% das ações da companhia de meio de pagamentos.

Continua depois da publicidade

A operação visa a conversão de registro de companhia aberta na CVM, da categoria “A” para “B”.

Os controladores também pedirão à B3 a saída da empresa do Novo Mercado, o segmento de maiores exigências em termos de governança corporativa do mercado brasileiro.