Impactos do conflito

China registra fuga de capitais sem precedentes, desde a guerra, diz IIF

Ao contrário de Pequim, os outros emergentes tiveram fluxos mais estáveis, em um contraponto inédito

Por  Estadão Conteúdo -

Desde a invasão da Ucrânia pela Rússia, há um mês, a China tem registrado nível “sem precedentes” de fuga de capitais, de acordo com o monitoramento diário de alta frequência do Instituto Internacional de Finanças (IIF).

Em relatório divulgado nesta quinta-feira, a instituição explica que ainda é cedo para concluir se a guerra é responsável pelo movimento ou se há outros fatores em vigor, mas que a dimensão das saídas é grande o suficiente para pelo menos levantar a possibilidade de que o conflito esteja levando investidores a encararem o mercado chinês “sob um novo olhar”.

O IIF destaca que, ao contrário de Pequim, os outros emergentes tiveram fluxos mais estáveis, em um contraponto inédito.

O instituto pondera que o ingresso de capitais na China aumentou nos últimos anos e escapou da intensa volatilidade observada em outros países, o que pode mitigar a gravidade da fuga recente.

No entanto, ainda de acordo com a análise, uma das razões para a estabilidade no fluxo chinês no último ano é a exposição reduzida de investidores ao país. “Essa subexposição é o que torna as saídas de capitais atuais notáveis. Os investidores estrangeiros estão menos posicionados, então por que eles estão vendendo ativos chineses?”, questiona.

Oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje. Assista aqui.

Compartilhe