CEO da Petrobras (PETR4): crise no Oriente Médio pode elevar petróleo acima de US$ 90

Jean Paul Prates diz que aumento de ataques a navios no Mar Vermelho pode pressionar ainda mais os preços do barril no mercado internacional

Bloomberg

Jean Paul Prates (Foto: Pedro França/Agência Senado)

Publicidade

Bloomberg — Os preços do petróleo poderão ultrapassar os US$ 90 o barril neste ano se aumentarem os ataques a navios no Mar Vermelho, de acordo com Jean Paul Prates, CEO da Petrobras (PETR4). A cotação está atualmente na faixa de US$ 76, segundo dados da última segunda-feira (29) no fim do dia.

“Temos uma passagem estreita muito frágil para o negócio de petróleo e gás”, disse Prates em entrevista à Bloomberg TV. “Ninguém prestou atenção nisso durante décadas. Temos o Iémen de um lado e a Somália do outro.”

A Petrobras, com sede no Rio de Janeiro, não foi afetada pelos ataques porque não transporta muito petróleo por meio do Golfo Pérsico, disse Prates. Militantes Houthi têm como alvo navios mercantes em resposta à guerra Israel-Hamas em Gaza.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

“A Petrobras está bastante protegida”, disse Prates. “Não usamos o Canal de Suez, não usamos tanto o Golfo.” Em outra frente, o governo brasileiro ajudará a mediar a disputa de fronteira entre Venezuela e Guiana, disse Prates.

A Exxon Mobil fez uma série de descobertas de petróleo de vários bilhões de barris na área, e a Petrobras poderia investir em projetos petrolíferos em qualquer um dos países, disse ele.

Sem qualquer escalada das tensões, o petróleo deverá continuar a ser negociado entre US$ 70 e US$ 90 neste ano, disse Prates.

Continua depois da publicidade

© 2024 Bloomberg L.P.