CBA (CBAV3) reverte lucro e tem prejuízo de R$ 50 mi no 2º tri; CEO vê 2º semestre mais positivo

Já o Ebitda ajustado da CBA foi de R$ 74 milhões no mesmo período, o que representa uma queda de 88% na base anual

Estadão Conteúdo

cut metal roll

Publicidade

A Companhia Brasileira de Alumínio (CBA; CBAV3)) registrou R$ 50 milhões de prejuízo líquido no segundo trimestre de 2023, de acordo com balanço publicado nesta segunda-feira, 7. O resultado representa uma reversão frente ao lucro de R$ 511 milhões apurado no mesmo intervalo de 2022.

Já o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) ajustado da CBA foi de R$ 74 milhões no mesmo período, o que representa uma queda de 88% ante o mesmo intervalo do ano anterior e recuo de 11% na comparação trimestral.

A margem Ebitda permaneceu estável no período, registrando 4%, o mesmo porcentual ante os três primeiros meses do ano. Por outro lado, o valor é menor na comparação com o 27% de margem apurada no segundo trimestre de 2022.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Quanto à receita líquida, a empresa somou R$ R$ 1,665 bilhão, o valor é 29% menor na comparação anual e 13% inferior ante os três primeiros meses de 2023.

Momento de mercado desafiador

O presidente da CBA, Luciano Alves, afirmou em entrevista ao Broadcast que a empresa enfrentou um momento desafiador no segundo trimestre do ponto de vista de mercado, principalmente em função do baixo patamar de preços que a tonelada de alumínio registrou no período, ao mesmo tempo em que o nível de custos permaneceu em um patamar elevado.

Continua depois da publicidade

Alves destacou que a tonelada do alumínio encerrou o segundo trimestre com US$ 2258 no índice de referência da London Metal Exchange (LME), número 20% menor ante um ano, quando o preço do metal se elevou sob influência da guerra entre Rússia e Ucrânia, e 6% menor na comparação trimestral.

O custo do produto vendido (CPV), por sua vez, foi de R$ 1,638 bilhão, queda de 2% na comparação anual e recuo de 11% na relação trimestral. “Podemos concluir que, no patamar atual, os preços das commodities não estão remunerando a indústria de maneira adequada. Isso também provoca um reflexo no nosso resultado financeiro”, afirmou Alves.

Outro ponto que influenciou os resultados, segundo o executivo, foi uma instabilidade operacional das salas fornos que persiste desde o primeiro trimestre do ano. Na época, a eficiência de corrente elétrica e consumos específicos foram afetados, impactando a produção de alumínio.

Leia mais: 

Confira o calendário de resultados do 2º trimestre de 2023 da Bolsa brasileira

O que esperar da temporada de resultados do 2º trimestre? Confira ações e setores para ficar de olho

Alves ressaltou que a CBA trabalhou durante o período para reverter o quadro e que “houve avanço significativo” na volta da estabilidade operacional desde junho, com condições próximas da normalidade.

Perspectivas

Embora os resultados do segundo trimestre tenham refletido um cenário desafiador, a expectativa para o segundo semestre é mais positiva, de acordo com o presidente da CBA.

O executivo listou alguns fatores que podem impulsionar as vendas de alumínio. Entre eles, o período de sazonalidade tradicional do segundo semestre, em que há maior consumo por produtos fabricados a partir do alumínio, além da redução na taxa Selic e inflação menor, que devem estimular de forma indireta o consumo e a retomada do crescimento econômico.

“Potencialmente podemos ter um cenário melhor daqui para a frente, mas é preciso ter cuidado. Não existem incertezas apenas no Brasil, mas, principalmente, em relação a tudo que está acontecendo no mercado mundial”, ponderou Alves.

Vendas

No geral, houve redução nas vendas de alumínio durante o segundo trimestre da CBA, por conta de uma menor demanda nas reformas residenciais. Os volumes de comercialização ficaram estáveis na comparação com o primeiro trimestre. As vendas totais de alumínio somaram 105 mil toneladas no segundo trimestre deste ano, valor 6% menor na comparação anual e 0,9% inferior na relação trimestral.

De forma segmentada, as comercializações de alumínio primário registraram 53 mil toneladas no período, valor 3% menor na comparação anual e estável ante os três primeiros meses do ano. As vendas de alumínio transformado, por sua vez, foram de 30 mil toneladas, 5% a menos ante um ano e 9% menor na comparação trimestral.

As vendas de alumínio reciclado totalizaram 22 mil toneladas no período, valor 14% menor na comparação anual, porém, houve avanço de 10% no intervalo trimestral.