Destaques da Bolsa

Carnaval não acabou na Bovespa: 26 ações subiram mais de 4% nesta 4ª feira

Setores como o imobiliário e educacional pegaram carona no novo dia de euforia na Bolsa e dispararam na volta do feriado

SÃO PAULO – A Quarta-feira de Cinzas (18), que tipicamente costuma ser de “ressaca”, não foi assim na Bolsa de Valores. Contrariando o final do feriado, o Ibovespa seguiu em festa e fechou com ganhos de 1,27%, a 51.280 pontos nesta sessão, renovando seu maior fechamento do ano. Esta foi a terceira alta seguida do índice, que acumula ganhos de mais de 9% em fevereiro.

Das 68 ações do Ibovespa, 7 subiram mais de 4%. Ao todo, foram 26 papéis da bolsa brasileira que superaram essa linha de ganhos, segundo levantamento feito pelo InfoMoney, que considerou apenas ações negociadas no mercado à vista e ligeira liquidez. Para conferir as maiores altas do pregão, acesse a ferramenta InfoMoney de altas e baixas clicando aqui.

Veja os destaques de alta da volta do Carnaval:

Imobiliárias
Alguns setores que vinham sofrendo no mercado pegaram carona na euforia dos investidores e apresentaram fortes altas nesta volta de feriado. Foi o caso das imobiliárias, setor que é historicamente o mais volátil da Bolsa, com representantes como a Gafisa (GFSA3, R$ 2,18, +7,39%), que além de fecharem com alta hoje, também mostraram recuperação no mês, acumulando ganhos de 15%. Fora do Ibovespa, a Rossi (RSID3, R$ 2,97, +12,08%) também chamou atenção, fechando entre os principais ganhos na Bolsa.

Educacionais
As educacionais também fecharam com fortes ganhos hoje, após sofrerem bastante com os anúncios de mudanças na concessão do Fies (programa de financiamento estudantil) desde o começo de janeiro. Destaque para as ações da Estácio (ESTC3, R$ 18,68, +4,36%), que acumulando ganhos de 12% no mês, ainda caem quase 22% no ano. Ainda sobre o setor, o ministro da Educação, Cid Gomes, adiou sua volta ao trabalho após o falecimento de sua mãe, Maria José Ferreira Gomes, na segunda-feira de Carnaval. Sem previsão de volta para Brasília, isso deve adiar possíveis anúncios sobre mudanças no Fies, pedidas pelo setor educacional.

Oi (OIBR4, R$ 7,26, +7,72%)
Entre os destaques de alta desta quarta-feira estiveram as ações da Oi, que fecharam como os maiores ganhos do Ibovespa, mesmo acumulando perdas de 15% neste ano. A Portugal Telecom SGPS disse hoje, em comunicado feito a pedido da CMVM (Comissão de Valores Mobiliários, órgão que regula o mercado de capitais português), que a transferência de dívida para a Oi está em análise financeira e legal. A operação faz parte do processo de venda de ativos da Oi em Portugal para o grupo francês Altice, que não quis assumir a dívida da PT Portugal no negócio de € 7,4 bilhões. 

Petrobras (PETR3, R$ 9,95, +1,74%; PETR4, R$ 10,12, +1,30%)
As ações da Petrobras seguiram o movimento altista do mercado e fecharam com ganhos nesta quarta-feira, após dois dias de feriado na Bovespa. Com a alta de hoje, os papéis da companhia superaram a barreira de R$ 10. O dia positivo ocorreu mesmo com a queda dos preços do petróleo no mercado internacional. O Brent, negociado em Londres, registrava queda de 2,53%, a US$ 60,86, enquanto o WTI, cotado no Texas, recuava 2,35%, a US$ 52,27. 

“Top 5” do Ibovespa
As ações da Vale (VALE3, R$ 22,71, +1,02%; VALE5, R$ 19,55 +1,09%também seguiram a euforia do mercado e figuraram no positivo nesta quarta. Além dela, outras blue chips também seguiram o movimento, como é o caso do Itaú Unibanco (ITUB4, R$ 35,71, +0,59%), Bradesco (BBDC3, R$ 36,46, +1,08%; BBDC4, R$ 37,00, +1,09%) e Ambev (ABEV3, R$ 18,25, +1,61%). Na abertura, estes ativos acompanharam o desempenho de alta de seus ADRs, movimento este que os papéis estenderam durante o pregão.

Itaú, Bradesco, Ambev, Vale e Petrobras estão entre as empresas com maior participação na composição do Ibovespa, respondendo por quase 37% da carteira, segundo dados da BM&FBovespa.

PUBLICIDADE

Usiminas (USIM3, R$ 20,34, -3,14%; USIM5, R$ 3,75, +4,17%)
Depois de ter adiado o resultado na última sexta-feira, os acionistas controladores da empresa entraram em acordo e aprovaram a publicação do resultado para esta manhã. A siderúrgica reverteu lucro líquido de R$ 47 milhões no último trimestre de 2013 para prejuízo de R$ 117 milhões, mas ainda conseguiu manter ganhos de R$ 208 milhões no ano passado, contra R$ 17 milhões em 2013.

No entanto, o grande destaque ainda fica para a briga societária entre as companhias que compõe o bloco controlador da companhia, o que fez os papéis ordinários dispararem nos últimos dias por conterem a ferramenta do “tag along” que protege os minoritários em caso de venda de participação; hoje, no entanto, os papéis passaram para o negativo. 

Ainda no setor, os papéis da CSN (CSNA3, R$ 5,04, +3,92%), Gerdau (GGBR4, R$ 10,32, +2,08%) e Gerdau Metalúrgica (GOAU4, R$ 11,17, +1,45%) acompanharam o movimento positivo.

Qualicorp (QUAL3, R$ 25,05, +7,14%)
Após caírem bastante em janeiro em meio a rumores de “dedo do governo” na companhia, as ações da Qualicorp também se recuperaram nesta quarta-feira, figurando entre os principais ganhos do Ibovespa. No mês, no entanto, a companhia acumula perdas de 6,7%. 

Quem não seguiu a euforia do mercado:

ALL e Cosan Logística
As ações da ALL (ALLL3, R$ 5,29, -1,67%) fecharam entre as principais quedas do Ibovespa nesta quarta, acompanhadas pelos papéis da Cosan Logística (RLOG3, R$ 3,13, -1,57%), controlada pela Cosan. As duas ações subiram nas últimas semanas em meio a rumores e posteriormente a confirmação de que o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) aprovaria a fusão entre a ALL e Rumo Logística, com algumas restrições. Do fechamento do dia 4 de fevereiro até o pregão de quinta-feira, os papéis da ALL dispararam 52% e os da Cosan Logística, 57%.

Banco do Brasil (BBAS3, R$ 23,95, -2,64%)
Após apresentar ganhos de até 2% na volta do feriado de Carnaval, o Banco do Brasil fechou a sessão como a maior queda do Ibovespa. Neste mês, no entanto, os papéis ainda apresentam forte valorização de 16%.