Fusão

Cade deve aprovar Boeing-Embraer em janeiro sem restrição, diz fonte

O caso deve passar em rito sumário pela superintendência e não deve ser nem mesmo avocado para o pleno do conselho, disse a pessoa

Aprenda a investir na bolsa

(Bloomberg) — A fusão entre Boeing e Embraer deve ser aprovada em janeiro pela superintendência do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) sem restrições significativas, disse uma pessoa com conhecimento das discussões.

O caso deve passar em rito sumário pela superintendência e não deve ser nem mesmo avocado para o pleno do conselho, disse a pessoa que pediu anonimato porque as discussões não são públicas.

Na averiguação do Cade não foram encontradas preocupações concorrenciais do negócio, não há sobreposições e as companhias têm investimentos considerados complementares. Nenhum concorrente se colocou como terceiro interessado até o momento e não há indício entre os conselheiros que alguém irá avocar o caso.

Aprenda a investir na bolsa

A maior parte das reclamações em relação ao caso foram apresentadas por partidos políticos e sindicatos, mas análise no conselho é focada em concorrência e não em causas trabalhistas.

A Boeing propôs a compra de uma participação majoritária na divisão de aeronaves comerciais da Embraer há um ano, buscando expandir suas operações para o mercado de aviões com 100 assentos, alguns meses depois que a Airbus assumiu o controle das operações da Bombardier nesse segmento.

O acordo da Boeing-Embraer já foi aprovado pelos reguladores dos EUA e da China. O maior obstáculo para a joint venture é a União Europeia, onde as autoridades antitruste suspenderam a análise do acordo em 11 de novembro, dizendo que não receberam informações suficientes das fabricantes de jatos.

A Embraer disse no mês passado que seu acordo com a Boeing provavelmente não será fechado antes do final de março, citando o atraso na UE.

Quer investir melhor o seu dinheiro? Clique aqui e abra a sua conta na XP Investimentos