CBDC do Reino Unido

“Britcoin” pode substituir conta corrente e colocar em risco a saúde dos bancos comerciais, diz Bank of America

Instituição diz que uma moeda digital do banco central (CBDC) do Reino Unido pode mudar a estrutura do mercado financeiro

Por  CoinDesk -

O Bank of America não acha que uma moeda digital do banco central (CBDC, na sigla em inglês) do Reino Unido atuaria apenas como uma forma de dinheiro digital, assim como afirmou o Banco da Inglaterra. A instituição financeira norte-americana diz que é mais provável que as “criptomoedas estatais” substituam as contas correntes, e os consumidores passem a guardar dinheiro por meio delas.

O Banco do Reino Unido vê uma possível CBDC – conhecida coloquialmente como “Britcoin” – como fundamentalmente uma substituta para o dinheiro. “Tal construção poderia [no entanto] potencialmente ser uma quantia 15 vezes maior e substituir 440 bilhões de libras (US$ 598 bilhões) em contas correntes e não apenas 30 bilhões de libras em dinheiro”, escreveu em uma pesquisa intitulada “Dinheiro Digital no Reino Unido”.

O Banco da Inglaterra ainda não decidiu se deve desenvolver uma libra digital. Seu movimento mais recente foi estabelecer dois fóruns em setembro do ano passado para discutir as principais questões em torno de uma CBDC. A instituição disse que o mais cedo que uma moeda digital pode ser lançada é na segunda metade desta década.

Dado que os consumidores detêm apenas pequenas quantias em dinheiro, haveria maior conveniência em trocar uma conta corrente por Britcoins, disse o Bank of America. Essa poderia ser uma área de preocupação para os bancos comerciais. As contas correntes são a força vital de seus modelos de negócios, e fornecem a eles financiamento estável a longo prazo.

“Isso faz com que a suposição do Banco da Inglaterra de que os usuários apenas substituiriam uma libra digital por suas reservas de caixa seja um risco para os bancos”, disse o Bank of America, referindo-se a preocupações recentemente divulgadas pelo Comitê de Assuntos Econômicos da Câmara dos Lordes em um relatório no qual explora uma potencial CBDC do Reino Unido.

Esse comitê descreveu como inevitável que os consumidores transferissem dinheiro de suas contas bancárias para carteiras de CBDC.

Dinheiro “reagrupado”

O Bank of America conclui que o Britcoin representaria um “reagrupamento” de dinheiro. Se os consumidores detiverem quantias substanciais em uma carteira de Britcoin, os bancos não poderão confiar na estabilidade ou na duração dos depósitos em conta corrente. Tampouco seriam capazes de fazer vendas cruzadas de produtos como cartões de crédito e hipotecas com a mesma eficácia que fazem agora.

Em circunstâncias extremas, isso poderia gerar uma reestruturação da estrutura institucional do mercado financeiro, diz o Bank of America. O relatório descreve que manter dinheiro em um banco é mais seguro do que mantê-lo em um “não banco” – como os provedores de pagamento “checkout.com” ou “Wise” – porque os clientes do banco têm acesso ao Esquema de Compensação de Serviços Financeiros, um seguro legal que garante depósitos de até £ 85.000, algo que falta nas outras instituições financeiras.

No entanto, se um provedor não bancário oferecer uma carteira que possa armazenar Britcoin, seria pelo menos uma opção tão segura quanto uma conta corrente. Possivelmente até mais, dado que o Britcoin seria dinheiro do banco central.

“O Banco da Inglaterra, em sua análise, atribui uma referência fugaz ao potencial movimento de relacionamentos transacionais fora dos bancos”, segundo o Bank of America. “Se esses fossem para um provedor terceirizado, consideramos que os saldos de poupança de alto valor vinculados a contas correntes se tornariam automaticamente menos estáveis para o banco também.”

Os bancos comerciais estariam então em risco de perder os fundos de seus clientes, bem como o relacionamento com eles.

Até onde as criptomoedas vão chegar? Qual a melhor forma de comprá-las? Nós preparamos uma aula gratuita com o passo a passo. Clique aqui para assistir e receba a Newsletter de criptoativos do InfoMoney

Compartilhe