Ações

Brazil Titans 20 cai 1,6% e indica queda na volta da Bolsa; ADRs de Petrobras e Vale caem 3%

O índice fechou com queda de 1,60%, a 17.883 pontos, intensificando a baixa após o FMI (Fundo Monetário Internacional) dizer que a Grécia pretende combinar quatro pagamentos devidos em junho em um único no final do mês

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O noticiário internacional foi bastante movimentado em dia de feriado no Brasil, com o mercado olhando principalmente para a Grécia. E é justamente de lá que vem a notícia que azedou o índice Dow Jones Brasil Titans 20, que reúne os 20 ADRs (American Depositary Receipts) mais líquidos negociados na Bolsa de Nova York. Nos EUA, agora a expectativa fica pela divulgação do relatório de emprego amanhã de manhã, que pode indicar os próximos passos do Federal Reserve. 

O índice fechou com queda de 1,60%, a 17.883 pontos, intensificando a baixa após o FMI (Fundo Monetário Internacional) dizer que a Grécia pretende combinar quatro pagamentos devidos em junho em um único no final do mês. O pagamento seria quitado dia 30.

“Sob os termos da decisão da Diretoria Executiva adotada no fim dos anos 1970, os países-membros podem pedir para agrupar os pagamentos do principal da dívida devidos em determinado mês (pagamentos de juros não podem ser incluídos no pacote). A decisão visava resolver a dificuldade administrativa de realizar múltiplos pagamentos em um curto período”, afirma Rice no breve comunicado. As bolsas dos EUA também intensificaram as perdas e caem cerca de 1%. Vale destacar ainda a fala da chanceler alemã, Angela Merkel, de que as negociações com os gregos ainda estão longe do fim. 

Aprenda a investir na bolsa

O Brazil Titans azedou e poucos ADRs do índice tiveram alta nesta sessão. O Santander Brasil (SANB11) chegou aa amenizar, mas virou em alta de 2,4%. O banco anunciou ontem que ganhou uma causa de R$ 4,8 bilhões na Justiça que vai proporcionar um lucro extraordinário no segundo trimestre do ano. Com todo esse dinheiro afetando positivamente seu balanço, o banco aproveitou para anunciar um reforço de provisão de R$ 1,6 bilhão. Boa parte desta provisão adicional deve ser usada para se prevenir contra calotes, em meio à crise gerada pela Lava Jato e o crescente número de recuperação judiciais.

Os ADRs da Petrobras (PETR3;PETR4) relativos aos ativos preferenciais tiveram baixa de 3,06%, a US$ 7,92, enquanto os equivalentes aos ordinários registraram queda de 3,29%, a US$ 8,53, em um dia de queda do preço de petróleo, com o brent em baixa de 2,68%, a US$ 58,04 o barril. 

As informações de que a OPEP não deve segurar a produção influenciam na queda do preço do petróleo. O Iraque, mesmo com combates se espalhando por todo o país, está se preparando para aumentar as exportações neste mês. O Irã quer que a organização também abra espaço para suas exportações. Por outro lado, a Arábaia Saudita disse que a oferta de petróleo está recuando. Com a queda do preço do petróleo, os ADRs da Gol (GOLL4) tiveram leve alta, de 0,40%. 

No noticiário da Petrobras de hoje, destaque para a expectativa de reestruturação organizacional da empresa, prevista para ser divulgada no dia 23 de junho. Na ocasião, também serão discutidas as premissas do novo plano de negócios da estatal, destaca a Agência Estado.

Os papéis da Vale (VALE3;VALE5) também caíram, com baixa de 2,70%, a US$ 6,48. O Itaú Unibanco (ITUB4) fechou em baixa de 1,39%, a US$ 10,65 e o Bradesco (BBDC4) viu seus papéis caírem 1,22%. 

No noticiário nacional, destaque para a notícia de que, para aumentar a arrecadação e conseguir equilibrar as contas públicas no final do ano, o governo estuda a taxação sobre o lucro líquido. De acordo com interlocutores do Planalto, a medida não seria simplesmente a penalização dos mais ricos. A ideia do governo é criar um mecanismo que obrigue o segmento a reinvestir as fortunas em projetos no País. Os defensores da proposta afirmam que o objetivo é fazer que parte desse dinheiro cumpra uma função social. 

PUBLICIDADE

Alemanha, EUA e China

Os títulos alemães tiveram seus dois piores dias desde 1998. Na Alemanha é feriado, mas no começo desta manhã não havia muitas evidências de que a corrida para venda fosse tirar uma folga e os títulos declinavam pelo quarto dia consecutivo, com o yield sobre a nota a dez anos se aproximava rapidamente de 1% depois de ficar a cinco pontos-base de zero por cento há apenas menos de sete semanas. 

Entre os dados dos EUA, os pedidos de auxílio-desemprego caíram para 276 mil, um pouco abaixo da expectativa dos economistas consultados pelo The Wall Street Journal, de 279 mil. Apesar da recuperação norte-americana, o FMI (Fundo Monetário Internacional) disse hoje que o Federal Reserve deveria adiar a alta dos juros para a primeira metade de 2016.

Na China, destaque para a turbulência das bolsas por lá.  O índice Shanghai Compositechegou a afundar 5,4 por cento antes de apagar todas as perdas e encerrar o dia com um avanço.