BrasilAgro (AGRO3) reverte lucro e tem prejuízo R$ 3,3 mi no terceiro trimestre do ano safra 2022/23

Companhia divulgou resultados trimestrais nesta noite de terça-feira

Felipe Moreira

Fazenda Araucária (Divulgação)

Publicidade

A BrasilAgro (AGRO3) registrou nesta terça-feira (9) prejuízo líquido de R$ 3,3 milhões no terceiro trimestre do ano safra 2022/2023 (3T23), revertendo lucro de R$ 81,7 milhões da mesma etapa do ano passado.

O lucro antes juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado total foi de R$ 44,2 milhões no 3T23, um crescimento de 107% em relação ao 3T22.

A margem Ebitda ajustada total atingiu 18% no 3T23, alta de 12 pontos percentuais (p.p.) frente a margem registrada em 3T22.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Leia Mais:

A receita líquida somou R$ 190,7 milhões no terceiro trimestre do ano safra 2022/2023, crescimento de 8% na comparação com igual etapa do ano safra 2021/2022.

O resultado bruto atingiu o montante de R$ 38,4 milhões no 3T23, uma redução de 40% na base anual.

Continua depois da publicidade

“O resultado bruto da companhia foi impactado, principalmente, pela redução das margens dos produtos agrícolas, que sofreram pela queda dos preços das commodities e aumento de custo de produção”, explica a empresa.

O resultado financeiro líquido foi negativo em R$ 30,2 milhões no terceiro trimestre do ano safra 2022/2023, uma diminuição de 15% sobre as perdas financeiras da mesma etapa de 2022.

O Custo dos Produtos Vendidos (CPV) subiu 30% na base anual, para R$ 144,33 milhões no 3T23, explicado pelo aumento do volume vendido no período e aumento no custo unitário de aproximadamente 40%. No caso do algodão, o CPV também foi impactado pela queda de produtividade.

As despesas gerais e administrativas somaram R$ 10,3 milhões no 3T23, um crescimento de 22% em relação ao 3T22.

Em 31 de março de 2023, a dívida líquida da companhia era de R$ 402 milhões, ante R$ 22,4 milhões de junho de 2022.

O indicador de alavancagem financeira, medido pela dívida líquida/Ebitda ajustado, ficou em 1,71 vez em março de 2023, contra de 0,04 vez de junho de 2022.