Deterioração

Brasil está sem solução para crise e sua imagem se deteriora rapidamente, diz fundação alemã

"o presidente Michel Temer perdeu credibilidade e continua conseguindo manter-se no poder por meio de manobras políticas questionáveis", diz a fundação

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Sem uma solução à vista para resolver a crise política pela qual o Brasil passa, a imagem do País se deteriora de forma bastante rápida, avalia a Fundação Konrad Adenauer, ligada à União Democrata-Cristã (CDU), o partido da chanceler alemã Angela Merkel. Ainda segundo o relatório publicado nesta quinta-feira (22), o presidente Michel Temer tem conseguido sobreviver com base em manobras questionáveis.

O documento narra os acontecimentos desde a divulgação da delação premiada do dono da JBS, Joesley Batista, e diz que o o julgamento da chapa Dilma-Temer no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) foi uma “farsa”. Segundo a fundação, a decisão mostra que “até mesmo a Justiça vem sendo mais e mais politizada”.

“O Executivo e o Congresso estão menos voltados ao ato de governar do que à contenção dos danos, enquanto a Justiça se politiza, causando prejuízos duradouros à democracia brasileira. Por enquanto, não há saída à vista”, diz o texto da Konrad.

PUBLICIDADE

De acordo com os representantes da fundação, “o presidente Michel Temer perdeu credibilidade e continua conseguindo manter-se no poder por meio de manobras políticas questionáveis. Enquanto isso, as reformas estruturais urgentemente necessárias estão paralisadas”.

Por fim, eles avaliam que a imagem do País sofre prejuízos rapidamente no panorama internacional. “O Brasil tem se envolvido muito com questões internas, e as crises atuais tampouco têm permitido que o país volte sua atenção para acontecimentos além de suas fronteiras”, dizem.

“O Brasil, que já era considerado um ‘global player’, está desperdiçando seu potencial geopolítico. Esse isolamento é um passo que o Brasil não deveria arriscar, pondo a perder conquistas políticas e econômicas — mas não há saída à vista”, conclui o texto.