Bolsas latino-americanas sobem, com exceção da Bovespa

Conteúdo do Portal InfoMoney – Editoria Mercados

Por  Equipe InfoMoney

As principais bolsas latino-americanas fecharam em alta – com exceção da Bovespa – nesta segunda-feira, apesar da desvalorização dos índices norte-americanos, que tendem a influenciar os mercados da América Latina. Às 15:46 de Nova York, o Nasdaq Composite registrava baixa de 0,86%, enquanto o Dow Jones Industrial e o S&P500 apresentavam variações negativas de 0,26% e 0,22%, respectivamente.
O índice Merval da Bolsa de Buenos Aires fechou em ligeira alta de 0,17%, após a divulgação do estimador industrial mensal referente ao mês de dezembro, que registrou variação positiva de 7,1% em relação ao mês anterior. Apesar do resultado bastante significativo em dezembro, no acumulado do ano, a produção industrial argentina apresentou crescimento nulo. Hoje, o chefe de Gabinete do Governo Argentino, Chrystian Colombo, anunciou que o governo deverá rejeitar a proposta dos governadores de Buenos Aires e Córdoba de reduzir os impostos sobre os automóveis. Segundo o chefe do Gabinete, o governo argentino é contra uma diminuição de impostos de forma setorial, mas ainda não quis antecipar uma resposta definitiva.
Os destaques de alta ficaram para as ações da Renault Argentina (+9,68%), da Juan Minetti (+7,41%), da Acindar (+6,54%) e da Garovaglio y Zorraquin (+2,70%). Por outro lado, as maiores quedas entre os componentes do índice Merval ficaram para as ações da Sociedad Comercial del Plata (-5,16%), da termoelétrica Central Puerto (-2,83%) e da Telecom Argentina (-2,25%).

O índice IPC da Bolsa do México encerrou o pregão em alta de 0,04%,após ter registrado variação negativa durante a maior parte do pregão. Nesta segunda-feira, a agência de classificação de risco Standard & Poor’s declarou que o México não precisará aprovar a reforma tributária, que será enviada ao Congresso em abril, para conseguir elevar sua classificação soberana. A diretora de classificação soberana dos países da América Latina, Graciana del Castillo, disse que não é necessário que todas as reformas estejam aprovadas para que a S&P tome a decisão de mudar a classificação do país. Há meses, o mercado mexicano está esperando que a S&P siga a mesma trajetória da agência de classificação Moody’s, que aumentou a classificação soberana do México em maio do ano passado.
As maiores altas entre os componentes do índice IPC ficaram para as ações do Grupo Industrial Alfa (+11,29), das Indústrias Penoles (+6,33%), do Grupo Industrial Saltillo (+2,83%) e do Grupo Sanborns (+2,64%). Contrariando a tendência da bolsa mexicana, os destaques de baixa ficaram para as ações da Organizacion Soriana (-3,09%), das Empresas ICA (-2,28%) e da Hylsamex (-2,02%).

O índice IBB da Bolsa da Colômbia fechou em ligeira alta de 0,05%, com destaque para a ação da Cementos Paz del Rio. Segundo analistas colombianos, especulações de que a Cemento Argos, controladora da Cementos Paz del Rio, apresentaria, em breve, bom resultado financeiro foram os responsáveis pela valorização da ação.






















Outros mercados: Brasil Ibovespa -0,79%
Peru ISBVL +0,86%
Venezuela IBVC+1,19%
Chile IPSA+0,61%

Compartilhe