Bolsas latino-americanas fecham em alta, com exceção para o Brasil

Conteúdo do Portal InfoMoney – Editoria Mercados

Por  Equipe InfoMoney

As bolsas latino-americanas fecharam em alta nesta terça-feira, com exceção para Brasil e Peru, sem uma clara influência do mercado norte-americano. Às 15h45 de Nova York, o Dow Jones Industrial registrava alta de 0,41%, enquanto o Nasdaq Composite e o S&P500 apresentavam variações negativas de 2,48% e 0,60%, respectivamente.
O índice Merval da Bolsa de Buenos Aires fechou em alta de 0,93%, após a declaração do governo da Espanha afirmando que o país contribuirá com US$ 1 bilhão para o pacote de ajuda externa do FMI. O ministro da economia espanhol, Rodrigo Rato, afirmou que o crédito estará disponível a partir de janeiro próximo.
Hoje, a Câmara dos Deputados votou por unanimidade a exclusão do artigo do Orçamento de 2001 que propunha uma redução de 12% a 15% nos salários dos funcionários públicos. Este artigo, que permitiria o governo argentino poupar cerca de US$ 700 milhões, é uma das condições básicas do FMI para a liberação do pacote. Depois da aprovação realizada pela Câmara, o Orçamento será enviado para a presidência, que possui o poder de veto. Autoridades argentinas acreditam que o presidente da Argentina vetará a exclusão do artigo, já que a pressão do FMI para a redução do salário dos funcionários públicos é forte. Hoje, o porta-voz do FMI, Thomas Dawson, anunciou que, se tudo der certo, o acordo de financiamento deverá ser fechado na próxima semana. Dawson também reconheceu que as negociações entre o FMI e a Argentina estão demorando mais tempo do que o esperado.
Os destaques de alta da bolsa argentina ficaram para as ações das siderúrgicas Siderar (+5,26%) e Acindar (+1,86%) e da Telefônica (+2,00%). Por outro lado, as maiores baixas entre os componentes do índice Merval ficaram para as ações do Banco Galicia y Buenos Aires (-3,02%), da Transportadora de Gas del Sur (-2,04%) e do banco BSCH (-2,04%).
A Bolsa do México não abriu nesta terça-feira, em função do feriado nacional de Nossa Senhora de Guadalupe.
O índice ISBVL da Bolsa de Lima encerrou o pregão em baixa de 0,32%, após alteração da perspectiva dos ratings da dívida do Peru. A agência de classificação de risco Moody’s mudou de “estável” para “negativa” a perspectiva dos ratings da dívida peruana. Segundo a Moody’s, a mudança ocorreu devido aos crescentes desequilíbrios orçamentários, que deverão continuar no próximo ano. A instabilidade política que o Peru se encontra, depois da renúncia de Fujimori e dos casos de corrupção no governo, agrava ainda mais esta situação, que só tende a melhorar depois das eleições para presidente, que será realizada em 8 de abril de 2001.






















Outros mercados: Brasil Ibovespa -1,86%
Chile IPSA 0,46%
Venezuela IBVC 0,44%
Colômbia IBB1,10%

Compartilhe