Bolsas latino-americanas em alta; Argentina paga menos na emissão de títulos

Conteúdo do Portal InfoMoney – Editoria Mercados

Por  Equipe InfoMoney

As bolsa latino-americanas fecharam em alta generalizada nessa terça-feira, influenciadas pelo otimismo que tomou conta das bolsas norte-americanas. O índice Nasdaq Composite, que concentra as ações de tecnologia, encerrou o dia em alta de 2,99% enquanto o Dow Jnes Industrial subiu 0,68%.

Em Buenos Aires, o índice Merval teve alta de 2,17%. Nessa terça-feira, o governo argentino colocou no mercado US$ 350 milhões em títulos públicos com prazo de 90 dias, a uma taxa anual de 6,64%. A taxa ficou abaixo do esperado por analistas, indicando o sucesso da colocação; na última operação desse tipo, o governo pagou 8,40%.

O principal destaque da bolsa portenha foi a alta das ações do Banco Francês Rio de La Plata (+13,39%), após o anúncio de que o banco espanhol BBVA comprará a participação que ainda não possui no banco argentino. A operação, estimada em US$ 705 milhões, deve ser feita através de troca de ações, com o BBVA adquirindo 32% do Banco Francês. Subiram também as ações do grupo financeiro Galicia (+6,83%), banco Bansud (+3,75%) e Perez Companc (+1,09%). Por outro lado, as ações da Renault Argentina caíram 5,88, seguidas pela siderúrgica Acindar (-1,77%).

O índice IPC da bolsa do México apresentou alta de 1,70%, apesar da divulgação de dados econômicos poucos favoráveis. O déficit comercial mexicano foi de US$ 1,48 bilhão em dezembro, o mais alto desde 1994, influenciado pelo desaquecimento norte-americano e pela queda nos preços do petróleo. Na bolsa, destaque de alta para a Cementos Mexicanos (+4,62%) e para o grupo financeiro Banamex (+4,17%), também controlado pelo espanhol BBVA. Por outro lado, apresentaram baixas as ações do grupo industrial Alfa (-4,49%) e da empresa de mídia Televisa (-0,67%).

Já o índice IBC da bolsa de Caracas apresentou alta de 1,59%.






















Outros mercados: Brasil Ibovespa +2,54%
Peru ISBVL +0,92%
Colombia COSMIBB+0,10%
Chile IPSA+0,21%

Compartilhe