Bolsas mundiais

Bolsas europeias e futuros americanos caem após Fed elevar perspectiva de inflação e antecipar debate sobre alta de juros para 2023

Na quarta-feira (16), os índices americanos fecharam em queda, após a divulgação da declaração do Fed e de suas projeções econômicas

Por  Equipe InfoMoney -

Os índices futuros americanos têm quedas nesta quinta-feira (17) de manhã, após o Federal Reserve elevar as expectativas de inflação, e indicar altas na taxa de juros dos Estados Unidos em 2023. Na Ásia, os índices fecharam com desempenhos variados, e na Europa as bolsas têm quedas, apesar de os papéis de bancos avançarem com a perspectiva de alta de juros.

Na quarta-feira (16), os índices americanos fecharam em queda, após a divulgação da declaração do Fed e de suas projeções econômicas. O Comitê Federal do Mercado Aberto (Fomc na sigla em inglês) da instituição havia se reunido entre terça e quarta.

Desde o ano passado, o Fomc vinha mantendo um tom grave sobre a pandemia, afirmando que ela vinha causando “tremendas dificuldades humanas e econômicas nos Estados Unidos e no mundo”. Na declaração mais recente, no entanto, ressaltou o progresso da vacinação, e afirmou que “indicadores de atividade econômica e emprego se fortaleceram. Os setores mais adversamente afetados pela pandemia continuam fracos, mas indicaram melhora”. Até terça-feira (15), 52,23% da população dos Estados Unidos havia sido vacinada, segundo dados oficiais compilados pelo site Our World in Data.

Como esperado, a taxa de juros continuou ancorada próxima a zero. Mas as autoridades indicaram que elevações podem vir em 2023. Em março, haviam afirmado que não pretendiam elevá-las até 2024.

A expectativa para o PIB dos Estados Unidos em 2021 foi elevada de 6,5% para 7%. A previsão para a taxa de desemprego permaneceu inalterada, em 4,5%.

O banco central americano também elevou sua expectativa para a inflação nos Estados Unidos para 3,4%, uma alta de um ponto percentual em relação à previsão de março. O ajuste na previsão ocorre em um momento em que o país vem registrando as maiores altas de preços em 13 anos, em meio à recuperação da economia após um ano marcado pela pandemia de Covid. Mas o Fomc sinalizou que ainda acredita que a tendência é de que a taxa se aproxime da meta de 2% no longo prazo.

Em coletiva de imprensa, o presidente do Fed, Jerome Powell, reiterou que acredita que a inflação que vem sendo registrada nos Estados Unidos é transitória. “Nossa expectativa é de que as leituras de inflação irão arrefecer”, afirmou. Mas ponderou que parte da dinâmica econômica associada à reabertura da economia “eleva a possibilidade de que a inflação possa se mostrar maior e mais persistente do que nós prevíamos”.

Ele também disse que projeções sobre altas na taxa de juros deveriam ser encaradas com cautela. Questionado, Powell não sinalizou uma redução no programa de compra de títulos pelo Fed, que vem injetando US$ 120 bilhões no mercado por mês durante a pandemia.

Ele afirmou que o Fed continuará a monitorar a recuperação econômica, e avisará com antecedência antes de anunciar mudanças na política de compra de títulos.

Na quarta-feira, a China anunciou que liberará a exploração de metais industriais de suas reservas naturais como forma de regular o preço das commodities. Em Hong Kong, a negociação de ações da Next Digital foi pausada na quinta-feira após a Apple Daily informar que cinco de seus diretores, incluindo o editor-chefe e CEO, foram presos pela polícia de Hong Kong.

Mais cedo, autoridades haviam afirmado que haviam prendido cinco diretores de uma empresa, cujo nome não foi identificado, por “conluio com um país estrangeiro ou com elementos externos, arriscando a segurança nacional”.

Na China continental, o Shanghai composto subiu 0,21%; em Hong Kong, o índice Hang Seng subiu 0,1%; no Japão, o Nikkei fechou com queda de 0,93%; na Coreia do Sul, o Kospi recuou 0,42%.

Na Europa, as bolsas também registram quedas após o Fed sinalizar a possibilidade de elevar das taxas de juros dos Estados Unidos mais cedo do que o esperado, em 2023. O índice Stoxx 600, que reúne as ações de 600 empresas de todos os principais setores de 17 países europeus, caiu 0,3%. O setor de serviços perde 1,4%, enquanto que as ações de bancos avançam 2,6%, impulsionadas pela expectativa de aumento dos juros.

Ações da empresa alemã de biotecnologia CureVac caíram mais de 45% após testes com sua vacina contra a Covid não atingirem as metas, arriscando uma potencial venda em massa de doses para a União Europeia. Nesta quinta, devem ser divulgados dados sobre inflação em maio na Zona do Euro.

Veja o desempenho dos principais índices às 6h40 (horário de Brasília):
*S&P 500 Futuro (EUA), -0,36%
*Nasdaq Futuro (EUA), -0,54%
*Dow Jones Futuro (EUA), -0,33%
Europa
*FTSE (Reino Unido) -0,51%
*Dax (Alemanha), -0,14%
*CAC 40 (França), -0,03%
*FTSE MIB (Itália), -0,14%
Ásia
*Nikkei (Japão), -0,93% (fechado)
*Hang Seng Index (Hong Kong), +0,43% (fechado)
*Kospi (Coreia do Sul), -0,42% (fechado)
*Shanghai SE (China), +0,21% (fechado)
Commodities e bitcoin
*Petróleo WTI, +0,083%, a US$ 72,21 o barril
*Petróleo Brent, +0,04% a US$ 74,42 o barril
*Bitcoin -2,06%, a US$ 39.311,85
**A Bolsa de Dalian fechou com o minério de ferro em alta de 1,03%, cotado a 1223,5 iuanes, equivalente hoje a US$ 190,2 (nas últimas 24 horas).
USD/CNY = 6,43

Entre no grupo do InfoMoney no Telegram para ter acesso a este conteúdo e faça parte de uma comunidade de mais de 170 mil pessoas que acompanham a plataforma.

O Telegram do InfoMoney oferece gratuitamente uma cobertura em tempo real do mercado financeiro. Traz também análises e as principais notícias que movimentam as Bolsas, aqui e no exterior.

Compartilhe