Bolsas de NY fecham em queda, após dados e comentários do Fed com cautela sobre juros

Dados de emprego e encomendas à indústria mostram economia americana saudável

Estadão Conteúdo

Publicidade

As bolsas de Nova York fecharam em queda firme nesta terça-feira (2), depois que mais indicadores e comentários de dirigentes do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) sustentaram a tese de que a autoridade monetária adotará uma postura cautelosa no processo de corte de juros.

O índice Dow Jones encerrou a sessão em baixa de 1,00%, aos 39.170,24 pontos; o S&P 500 cedeu 0,72%, aos 5.205,81 pontos; o Nasdaq perdeu 0,95%, aos 16.240,45 pontos.

O relatório Jolts apontou nesta terça avanço na abertura de vagas nos EUA em fevereiro, mais um indício de que o mercado de trabalho americano está “bem saudável”, na visão da Oxford Economics. Já as encomendas à indústria subiram mais que o esperado no mês.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

NY opera de ouvido no Fed

Os números corroboram a avaliação de dirigentes do Fed de que a maior economia do planeta permanece forte, em um quadro que reduz a urgência de se começar o ciclo de relaxamento.

A presidente da distrital do BC norte-americano em Cleveland, Loretta Mester, alertou nesta terça para o risco associado a um afrouxamento prematuro. Já a líder da regional de São Francisco, Mary Daly, disse concordar com a previsão de três cortes este ano.

Assim, investidores adotaram uma postura defensiva que espalhou ordens de vendas por Wall Street. Em destaque negativo, Tesla desabou 4,90%, após a empresa informar queda nas entregas e na produção.

Continua depois da publicidade

A UnitedHealth caiu 6,44% e liderou as perdas entre os componentes do Dow Jones, depois que o governo dos EUA anunciou que as taxas de reembolso do ‘Medicare Advantage’ ficarão inalteradas em 2025 em relação ao plano iniciado anteriormente, o que pressiona as margens dessas companhias.

Já o papel da ChampionX saltou cerca de 10%, na esteira de anúncio de acordo que prevê a compra da SLB – que, por sua vez, recuou 1%.

Na contramão do tom negativo geral, as petroleiras se seguraram no azul, em meio ao recrudescimento de tensões geopolíticas, que levou o petróleo aos níveis máximos desde outubro do ano passado. Com isso, Chevron ganhou 0,44% e ExxonMobil, 1,96%.

Escalada juros

Para a Capital Economics, a escalada dos rendimentos dos Treasuries esteve entre os fatores que contribuíram para a pressão nos negócios acionários, mas não é o único nem o principal.

O avanço das tensões geopolíticas e a decepção com a Tesla ajudam a pintar o ambiente de cautela, de acordo com a análise. “Mesmo que os rendimentos permaneçam elevados, duvidamos que isso impeça o mercado de ações dos EUA de subir ainda mais este ano”, avalia.