Caos

Bolsa da Argentina perde US$ 23,7 bilhões em valor de mercado em um dia e vale menos que o Santander Brasil

Mercado reagiu com pessimismo ao resultado das eleições primárias no país vizinho, que mostrou derrota de Macri e vitória da chapa de Alberto Fernández e Cristina Kirchner 

SÃO PAULO — A bolsa da Argentina perdeu US$ 23,7 bilhões em valor de mercado nesta segunda-feira (12) com o tombo de 38% do índice Merval. A queda refletiu a reação negativa do mercado ao resultado das eleições presidenciais primárias no país, que indicaram derrota do atual presidente Mauricio Macri para a chapa de Alberto Fernández e a ex-presidente Cristina Kirchner.

Com a perda de hoje, o valor de mercado total da bolsa argentina — ou seja, quanto valem, juntas, todas as empresas listadas no mercado — caiu para US$ 40 bilhões. É menos do que o valor de mercado do Santander Brasil, por exemplo, de US$ 41,9 bilhões. Os dados foram levantados pela Economática.

Outras cinco empresas brasileiras também têm valor de mercado maior do que toda a bolsa argentina depois da perda registrada hoje. São elas: Vale (US$ 59,3 bilhões), Bradesco (US$ 66,6 bilhões), Ambev (US$ 80,2 bilhões), Itaú (US$ 84,7 bilhões) e Petrobras (US$ 91,5 bilhões).

PUBLICIDADE

Em dólares, a queda da bolsa argentina nesta segunda-feira foi de 48%, a segunda maior baixa diária entre os mercados acompanhados pela Bloomberg desde 1950. Perdeu só para o Sri Lanka, em 1989, quando caiu 61,7% em um dia. 

A apuração dos votos na Argentina mostrou apoio de 47% dos eleitores à dupla Fernández e Kirchner, enquanto Macri ficou com 32% dos votos. Cristina governou o país entre 2007 e 2015 e adotou um modelo econômico que praticamente afundou a economia argentina para a crise que ainda se encontra. Seu comando foi marcado estatização de empresas e manipulação de dados oficiais, por isso a volta do kirchnerismo preocupa os investidores. 

“O atual presidente Macri não foi capaz de trazer para a população o sentimento de poderia tirar o país dessa situação — a Argentina convive com inflação anualizada de mais de 50% — e o resultado disso veio nas eleições primárias de ontem. Diferente do que vimos no resto do mundo, onde o ‘shy voter’ (eleitor envergonhado) elegeu governantes mais de direita (Trump nos EUA ou Bolsonaro no Brasil), na Argentina esse eleitor virou peronista”, escreveu o analista Thiago Salomão, da corretora Rico, em relatório. 

O efeito no mercado foi imediato. O peso argentino chegou a cair mais de 30% hoje, mas amenizou a queda depois que o governo aumentou a taxa de juros para 74% ao ano e usou reservas para conter a depreciação do câmbio. No fim do dia, o peso argentino fechou com variação negativa de 16%, valendo 53 por dólar. Na sexta-feira, a moeda havia fechado em 45,25 por dólar. 

Já o CDS argentino, um indicador internacional usado como referência para medir o risco de calote dos países, disparou hoje. O CDS de 5 anos da Argentina, que havia fechado aos 1.030 pontos na sexta-feira, fechou em 2.113 pontos. 

Quer investir melhor o seu dinheiro? Clique aqui e abra a sua conta na XP Investimentos — é grátis