bastante otimistas

BofA eleva recomendação, preço-alvo de ação e espera crescimento forte

Os analistas estão bastante confiantes no desempenho de empresa nos próximos anos

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O Bank of America Merril Lynch divulgou relatório em que eleva para o patamar de compra sua recomendação para as ações da Weg (WEGE3). Os analistas destacam que uma “ação premium merece um valuation premium” e que a companhia segue a um “impressionante” ritmo de crescimento. Além disso, o preço-alvo para a ação também foi elevado e chegou a R$ 20,00 – o que totaliza um potencial de valorização de 12,68% em relação ao fechamento do dia 2 de junho de 2015.

Você tem dúvidas sobre como organizar suas finanças? Quer investir melhor? Cadastre-se gratuitamente no Ganhe Mais e tenha acesso a uma rede de centenas de planejadores financeiros certificados e capacitados 

Os analistas destacam que esperam mais um ano robusto em 2015, com crescimento na receita da companhia chegando a 23% na comparação com o ano anterior. Esses resultados devem vir, especialmente, por conta de uma sólida expansão em receitas internacionais, crescimento da capacidade instalada de energia eólica e também em razão de uma estratégia de fusões e aquisições bem implementada.

Aprenda a investir na bolsa

Em termos de lucratividade, a expectativa da equipe da instituição financeira estadunidense é que a margem EBITDA (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações, na sigla em inglês) fique estável em 17%.

A equipe de análise relata que, apesar da nova estimativa para a ação, de que ela vá negociar a um P/L (preço sobre lucro) de 21 vezes em 2016, contra uma média de 18,5 vezes, a expectativa é de que o crescimento continue – o que justifica pagar mais caro pelo papel.

O Bank of America Merrill Lynch espera um crescimento forte do EPS (lucro por ação, na sigla em inglês) da Weg e crescimento médio de 17,3% do CAGR (taxa composta anual de crescimento, na sigla em inglês) até 2018, combinado com uma expansão do ROE (retorno sobre o patrimônio, na sigla em inglês) de 23%. Os principais riscos para o papel seriam uma valorização do real frente ao dólar e preços de energia de longo prazo mais baixos no Brasil.