Investimento

BNDESPar investirá este ano R$ 800 milhões em 9 fundos de ações

Eles se somarão à carteira de 34 fundos de investimento que já têm participação da BNDES Participações

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

O BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) informou por meio de nota que investirá este ano, por meio de sua subsidiária de participações societárias, R$ 800 milhões em nove novos fundos de participações acionárias. “Eles se somarão à carteira de 34 fundos de investimento que já têm participação da BNDES Participações”, disse o Banco.

“Os novos fundos, cujos gestores foram selecionados em 2014, viabilizarão aportes em mais de 80 empresas nos próximos quatro anos”, afirma a nota. Com estes investimentos, a BNDESPar eleva seu número de companhias investidas de 130 para mais de 200 nos próximos anos. Segundo o banco, por meio da atuação via fundos, o objetivo da BNDESPar é “investir em empresas de base tecnológica, ativos de infraestrutura e contribuir para o desenvolvimento do mercado de capitais”.

Dentre os 9 fundos: três são focados em empresas nascentes e pequenas e médias empresas (PMEs) de base tecnológica; um em médias empresas em expansão; um em setor de educação com ênfase em saúde; um em ativos de infraestrutura; um em impacto social; e dois em formação do mercado de acesso, para fomentar ofertas públicas de médias empresas. “Com participação média de 26% nos fundos citados, a BNDESPar busca atrair novos investidores para criar empresas brasileiras sustentáveis e competitivas”, diz a nota.

Aprenda a investir na bolsa

Dentre as novidades, o BNDES afirmou que dois dos fundos darão apoio à inovação. “O primeiro é o Criatec III, de patrimônio mínimo de R$ 200 milhões, que atrairá ao menos sete novos investidores para o capital semente, fato que o torna o maior fundo do Brasil voltado para empresas nascentes”, disse.

“O segundo é o novo Fundo de Biotecnologia, voltado para investimentos em PMEs e estruturado em parceria inédita com o BPI, o banco de fomento francês, o que viabilizará a entrada de ao menos R$ 35 milhões em investimento estrangeiro no País, além de possibilitar o estabelecimento no Brasil de uma renomada gestora europeia do segmento”, completou o banco.