Entrevista

Bitcoin pode cair ainda mais, diz analista

Josh Olszewicz, chefe de research da gestora Valkyrie, falou sobre o preço do BTC na CoinDesk TV

Por  CoinDesk

O Bitcoin (BTC) despencou quase 40% neste ano, caindo abaixo de US$ 30 mil novamente. E esse movimento negativo (downside), segundo um analista ouvido pela CoinDesk TV, pode continuar por mais um tempo.

Josh Olszewicz, chefe de research da gestora de investimentos Valkyrie, disse que a volatilidade precisará se estabilizar para que o preço do BTC estabeleça uma posição no fundo a qualquer momento no curto prazo.

“Podemos olhar para coisas como a média móvel de 200 semanas, que é de cerca de US$ 22 mil. Podemos olhar para o preço realizado, que é o preço médio das moedas que se moveram na cadeia, que é de cerca de US$ 23.800”, disse Olszewicz no programa “First Mover” da CoinDesk TV.

“Este [movimento para atingir o fundo] provavelmente levará pelo menos todo o terceiro trimestre, talvez o quarto trimestre também, se acontecer neste ano.”

Olszewicz disse que outros fatores, como o aumento das taxas de juros do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos), também estão desempenhando um papel no desempenho de mercado do Bitcoin.

Ele postulou que os investidores institucionais poderiam estar liderando a desaceleração. Olszewicz citou que o tamanho médio dos movimentos na cadeia da criptomoeda está na casa das dezenas de milhares de BTC.

“A maioria do volume certamente é liderada por fluxos institucionais”, disse ele.

No entanto, Olszewicz falou que o movimento do mercado continua a depender mais dos traders de varejo do que dos investidores institucionais. Ele vê aqueles que estão aprendendo sobre criptomoedas se arriscando durante esse mercado de baixa para testar as águas e “ver se podem sobreviver”.

“Já vimos isso antes e, à medida que os indivíduos aprendem novamente sobre o Bitcoin pela primeira vez, o ciclo pode se repetir”, disse Olszewicz. “Desde 2018, o número médio de carteiras com BTC aumentou de mais de 27 milhões para mais de 41 milhões hoje.”

Ele acrescentou: “Estamos vendo muitas pessoas não apenas permanecendo aqui (no mercado), mas ficando animadas novamente com o que está acontecendo no setor”.

Até onde as criptomoedas vão chegar? Qual a melhor forma de comprá-las? Nós preparamos uma aula gratuita com o passo a passo. Clique aqui para assistir e receber a newsletter de criptoativos do InfoMoney

Compartilhe