Moedas virtuais

Bitcoin 2.0: novo projeto com moeda virtual pode revolucionar toda a economia

Projeto que envolve grandes nomes da tecnologia, como Google e Yahoo pode acabar com a necessidades de um intermediário em negociações de valor

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Em meio a onda de crescimento das moedas virtuais, já existe um grupo de investidores pensando no futuro, no que poderíamos chamar de Bitcoin 2.0. Um grupo de bilionários que ajudaram no crescimento do LinkedIn, Microsystems, Google e Yahoo já contribuíram com US$ 21 milhões para um projeto “diferente” envolvendo moedas virtuais e que pode afetar toda a internet, descentralizando toda a economia.

A companhia, Blockstream, pretende melhorar o sistema de “blockchain” (a base tecnológica da moeda, que inclui sua contabilidade e distribuição) da bitcoin, transformando-a em uma plataforma universal para vários novos aplicativos, que vão além de apenas pagamento de serviços. Os fundadores da empresa querem permitir ainda que as pessoas usem mais operações “pouco confiáveis” sem precisar pagar taxas para intermediários.

Segundo Reid Hoffman, co-fundador do LinkedIn, em entrevista para o The Wall Street Journal, este sistema descentralizado de blockchain é “extremamente difícil de corromper”, tendo potencial para ser “uma plataforma eficiente de negociação para qualquer coisa de valor”. “O Blockstream está desenvolvendo o ecossistema da bitcoin”, disse.

PUBLICIDADE

As ideias em torno da Bitcoin 2.0 incluem, entre outras coisas, criar “contratos inteligentes” que permitem que obrigações sejam feitas por um software e não por intermediários, por exemplo a negociação de ações sem corretores, ou transferências de casas e carros sem agentes. Mas as possibilidades são ainda maiores. “Andamos apenas milímetros de uma maratona em termos do desenvolvimento de softwares que podem usar o blockchain”, afirmou Austin Hill, especialista em serviços de criptografia.

Ainda não há um plano para conseguir transformar o negócio de engenharia de software em algo que realmente “faça dinheiro”. Por enquanto o proejto é apenas um salto de fé no negócio, baseado principalmente na reputação das empresas envolvidas no projeto, já que grandes nomes da tecnologia já mostraram que acreditam no negócio.