Radar InfoMoney

BC homologa reorganização societária do Banco Inter (BIDI11); Petrobras (PETR4) e Dasa (DASA3) compram ativos e mais

Confira os destaques do noticiário corporativo na sessão desta quinta-feira (2)

Por  Equipe InfoMoney -

O noticiário corporativo desta quinta-feira (02) tem como destaque o GPA (PCAR3) que receberá R$ 386,7 milhões com ações de Éxito.

Já a Petrobras (PETR3;PETR4) informou a compra de 50% da sociedade Ibiritermo, no valor de R$ 2,5 milhões.

O Banco Inter comunicou que o Banco Central (BC) homologou a reorganização societária da instituição financeira, aprovada em assembleia geral extraordinária no último dia 12 de maio.

Por fim, a Dasa (DASA3) informou a compra da rede de laboratórios Geraldo Lustosa em Minas Gerais.

Confira os destaques:

GPA (PCAR3)

O Conselho de Administração do GPA (PCAR3) aprovou a adesão ao programa de recompra de ações de sua controlada Éxito.

Segundo comunicado, a decisão foi tomada em função da alta valorização de Éxito em virtude do preço sugerido de suas ações, conforme pautado na avaliação conduzida por consultoria externa.

Atualmente, o GPA detém 96,57% do capital social de Éxito, sendo 91,57% detidos diretamente pelo GPA e os remanescentes 5,00% detidos pela sua subsidiária GPA2. Dessa forma, considerando que o plano de recompra permite que cada acionista de Éxito venda até 3,40% de sua participação, GPA venderá 13.935.798 ações e GPA2 venderá 760.927 ações.

Considerando o valor de venda de cada ação, o valor bruto total de venda equivalerá a aproximadamente R$ 386,7 milhões.

Inter (BIDI11)

O Banco Central (BC) homologou a reorganização societária do Inter, aprovada em assembleia geral extraordinária no último dia 12 de maio.

Na assembleia, foi aprovada a reorganização societária com vistas à migração da base acionária do Inter para a Inter & Co, Inc., sociedade constituída de acordo com as leis da jurisdição de Cayman, com a listagem de suas ações no índice Nasdaq, da bolsa de valores nos Estados Unidos, e com negociação de certificados de BDRs Nível I, lastreados em Class A Shares de emissão da Inter&Co, na B3.

Porém, ainda há outros passos a serem traçados, como verificação (ou renúncia, conforme o caso) do cumprimento das condições precedentes ao desembolso, em favor da Inter Holding Financeira S.A., de financiamento a ser por ela contratado junto a instituições financeiras, no valor de até R$ 1,150 bilhão, para fazer frente ao resgate das ações preferenciais resgatáveis da HoldFin correspondentes à Opção Cash-Out.

MRS Logística

O Tribunal de Contas da União (TCU) deu aval ao processo de renovação antecipada, por mais 30 anos, da concessão da ferrovia operada pela MRS Logística, malha ferroviária de 1,6 mil km que atravessa os Estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo. De acordo com a empresa, quase 20% do que é exportado pelo Brasil e um terço de toda a carga transportada por trens no País passam pelos trilhos da MRS.

Com a renovação, a companhia, que administra a concessão desde 1996, vai operar o ativo até 2056.

Petrobras (PETR3;PETR4)

A Petrobras (PETR3;PETR4) assinou contrato para a compra da participação da Edison (50%) na sociedade Ibiritermo, pelo preço de R$ 1,00, em cumprimento ao Contrato de Conversão de Energia, firmado em 21 de junho de 2002 com a Ibiritermo S.A..

Adicionalmente, na conclusão da transação, a Petrobras efetuará o pagamento de compensação por parte do capital social no valor de R$ 2,5 milhões à Edison S.p.A., nos termos previstos no contrato de compra e venda de ações, e o ECC será encerrado, com a transferência da Usina Termelétrica Ibirité (UTE Ibirité) para a Petrobras, único ativo da Ibiritermo, o qual desde a celebração do ECC é operado pela Petrobras.

Leia também: Fatiar Petrobras pode não ser o melhor modelo de privatização, diz conselheiro

A Petrobras já possui participação de 50% na Ibiritermo S.A. e, após a conclusão da transação, a estatal passará a deter 100% das ações da Ibiritermo S.A. e a propriedade exclusiva da UTE Ibirité.

Porto Seguro (PSSA3)

A Porto Seguro (PSSA3) informa que, diante do cumprimento das condições precedentes aplicáveis e do efetivo fechamento da operação, a sua controlada indireta OM Soluções Imobiliárias concluiu a aquisição, nesta quarta-feira (1), de 100% de participação da Nido Informática LTDA.

Dasa (DASA3

A Dasa (DASA3) informou na quarta-feira a compra da rede de laboratórios Geraldo Lustosa em Minas Gerais.

A Dasa informa que a operação “está alinhada com a estratégia de expansão das operações de diagnósticos da Dasa, bem como representa um marco importante no fortalecimento da sua presença e de sua liderança na região metropolitana de Belo Horizonte, o terceiro maior mercado do Brasil”.

Lustosa possui “uma marca relevante, com 26 unidades na cidade, possibilitando ainda a captura de sinergias expressivas com as demais operações que a companhia possui na região”.

O valor não revelado será pago ao longo de três anos e o negócio ainda precisa ser apreciado pelo CADE e pelos acionistas da Dasa.

Energisa (ENGI11)

A Energisa (ENGI11) aprovou, em reunião do conselho de administração, a emissão de R$ 500 milhões em debêntures, em em série única. A emissão se dará em oferta restrita e a empresa ainda definirá a instituição financeira autorizada a operar no mercado de capitais para realizara colocação das debêntures.

Viveo (VVEO3

A Viveo concluiu a aquisição da Profarma Specialty, anunciada em agosto do ano passado.

Vibra Energia (VBBR3

A Vibra Energia (VBBR3) informou que fundos e veículos de investimentos sob a gestão da GIC Private Limited (GIC) reduziu a sua participação acionária relevante para abaixo de 5,0%, passando a deter, nesta data, o total de 58.153.267 ações ordinárias de emissão da Companhia, representando aproximadamente, 4,992% do seu capital social.

Cogna (COGN3)

A Fitch afirmou os ratings nacionais de longo prazo AA+(bra) da Cogna (COGN3) e das subsidiárias Saber e Somos. A perspectiva foi elevada de negativa para estável.

A revisão da perspectiva para estável incorpora a expectativa de fortalecimento da geração operacional de caixa e da rentabilidade da Cogna, a partir da retomada da captação de alunos, e da convergência da alavancagem financeira líquida para um patamar inferior a 3,0 vezes a partir de 2023, apontou a agência de classificação de risco.

Já a perspectiva estável também considera a estratégia de a companhia utilizar parte de seu robusto caixa para a redução da dívida bruta e a expectativa de manutenção de forte liquidez ao longo dos próximos anos, apoiada na geração esperada de fluxo de caixa livre (FCF) positiva, e em um cronograma de amortização da dívida gerenciável.

“O rating reflete a destacada posição competitiva da Cogna no fragmentado setor de ensino superior no país, sustentada por sua elevada escala de operações, com diversificado modelo de negócios e liderança no segmento de ensino à distância (EAD), que tem reportado elevadas taxas de crescimento”, apontou a Fitch.

brMalls (BRML3)

A SPX Equities Gestão de Recursos informou que possui, em conjunto (ações ordinárias de emissão da Companhia, instrumentos financeiros com previsão de liquidação física, referenciados em ações ordinárias da companhia e mediante posição tomadora de aluguel) aproximadamente 7,64% do capital social da companhia.

Track & Field (TFCO4)

A Track & Field (TFCO4) informou que os fundos administrados pela Equitas reduziram participação acionária na empresa de 5,55% para 4,27%, passando a deter 3.076.114 de ações PN.

Oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje. Assista aqui.

Compartilhe