BB Seguridade (BBSE3) sobe mais de 2% após balanço, anúncios de recompra e dividendos; analistas têm visões distintas para ações

Companhia teve um resultado bom, mas indicou desaceleração no ano, apontam analistas

Equipe InfoMoney

Painel de ações e gráfico (Crédito: Shutterstock)

Publicidade

A BB Seguridade (BBSE3) registrou ganhos na Bolsa na sessão desta segunda-feira (7) após a divulgação de resultados e anúncio de dividendos. Os ativos BBSE3, ainda que fechando longe das máximas do dia, subiram 2,38%, a R$ 32,26; na máxima do dia, subiram 4,44%, a R$ 32,91.

A holding de seguros, previdência e capitalização do Banco do Brasil (BBAS3) registrou lucro líquido de R$ 1,841 bilhão no segundo trimestre deste ano. O resultado foi 30,9% maior que o do mesmo período do ano passado, e 4,1% maior que o do primeiro trimestre deste ano.

No primeiro semestre, a BB Seguridade teve lucro líquido de R$ 3,601 bilhões, alta de 39,3% em relação aos seis primeiros meses de 2022. Segundo a empresa, é o novo recorde de resultado para um semestre, impulsionado pelo desempenho comercial em seguros, previdência e capitalização, melhora da sinistralidade e o crescimento do resultado financeiro.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

O Conselho de Administração da empresa aprovou ainda o pagamento dos dividendos intercalares referentes ao resultado do 1º semestre de 2023, adicionados dos dividendos prescritos referentes ao 2º semestre de 2019, no valor total de R$ 3,210 bilhões, equivalentes a R$ 1,60763676191 por ação.

Os dividendos serão pagos no dia 28 de agosto e terão como base a posição acionária de 16 de agosto, sendo as ações negociadas ex-dividendos a partir de 17 de agosto deste ano. Conforme destaca o Bradesco BBI, o resultado foi em linha com o consenso.

“Conforme esperado, o bom momento da divisão de seguros segue forte, com desempenho muito bom do segmento rural, levando a companhia a superar os resultados esperados (guidance) tanto de crescimento de prêmios, quanto de resultados operacionais para o 1S23. No entanto, a companhia manteve o guidance para o ano (faixa de crescimento de prêmios de 10 a 15% e crescimento de resultados operacionais de 12 a 17%), implicando em uma (esperada) desaceleração do ritmo operacional no 2S23, provavelmente devido à divisão de seguros rurais”, aponta o banco.

Continua depois da publicidade

Saiba mais:

Confira o calendário de resultados do 2º trimestre de 2023 da Bolsa brasileira

O que esperar da temporada de resultados do 2º trimestre? Confira ações e setores para ficar de olho

Assim, vê os resultados como amplamente neutros para as ações. “O bom desempenho operacional já era esperado em grande parte após os resultados positivos do 1T23 e os dados mensais fornecidos pelo órgão regulador (SUSEP) até maio, que ainda indicavam bom desempenho do segmento rural. A empresa já vinha orientando o mercado para uma provável desaceleração dos resultados operacionais no 2S23 (uma vez que o desempenho do 1S23 foi muito forte) e, portanto, não esperamos que os resultados desencadeiem revisões de resultados para o ano”, avalia.

Os analistas projetam BBSE3 negociando a 8,5 vezes o o múltiplo de preço sobre o lucro (P/L) esperado para 2023, mas com fortes rendimentos de dividendos de dois dígitos para as ações, fornecendo assim alguma proteção aos investidores.

O banco tem recomendação neutra para os ativos, com preço-alvo de R$ 36, ou potencial de valorização de 14% em relação ao fechamento de sexta-feira.

O Morgan Stanley destacou que os resultados da BB Seguridade foram bons, mas reiterou recomendação underweight (exposição abaixo da média, equivalente à venda) para as ações, com preço-alvo de R$ 30 (queda de 5% frente o fechamento de sexta).

Isso dada a ampla evidência de desempenho abaixo da média quando as taxas caem. “A BB Seguridade é a seguradora mais sensível a taxas em nossa cobertura, com cerca de 16% dos lucros provenientes de resultados de investimentos nos últimos 5 anos. Como tal, esperamos que os ganhos e o desempenho das ações fiquem sob pressão à medida que as taxas de juros caem – em linha com evidências convincentes de nossas análises de sensibilidade às taxas e desempenho das ações durante os ciclos anteriores de flexibilização”, apontam os analistas do Morgan.

Eles veem a receita líquida de investimentos caindo 19% em 2024 e 11% em 2025, à medida que incorporam taxas de juros mais baixas em nosso modelo.

“Além disso, continuamos cautelosos sobre seguro rural e menos construtivos na previdência. A zona rural é altamente dependente do apoio do governo, regulamentação, preços de insumos e commodities e eventos climáticos. Em previdência, vemos o aumento da concorrência pressionando os preços e levando a perdas de participação de mercado. Por fim, a empresa possui um contrato de distribuição exclusiva com o Banco do Brasil que expira em 2033, então incorporamos o custo potencial e o risco de renovação em nossa estrutura de avaliação, impactando negativamente nosso preço-alvo”, aponta o banco.

Por outro lado, o JPMorgan manteve recomendação overweight (exposição acima da média) para as ações, destacando o anúncio de recompra de aproximadamente 3% das ações, ou aproximadamente 10% do free float. Além disso, o pagamento do dividendo do primeiro semestre implica um dividend yield (dividendo sobre preço da ação) de cerca de 5%.

(com Estadão Conteúdo)