Radar Bovespa

BB cria subsidiárias, LLX polui o Rio e rating da Petrobras pode ser cortado

Subsidiárias, Gradiente e São Martinho também chamam a atenção do mercado

arrow_forwardMais sobre
(Petrobras)

SÃO PAULO – O Ibovespa sobe 0,45% por volta das 12h55 (horário de Brasília) desta terça-feira (18), atingindo os 59.832 pontos. O índice foi impulsionado pelas propostas de Barack Obama, que pretende elevar as receitas do Estado norte-americano em US$ 1,2 trilhão, além de aumentar impostos somente para quem recebe mais de US$ 400 mil por ano. 

Esse movimento vai ofuscando a possibilidade de rebaixamento do rating da Petrobras (PETR3; PETR4) pela Moody’s – que mostra que a excessiva dívida da petrolífera incomoda o mercado. Amparados no bom humor do mercado, os papéis ordinários sobem 0,74%, atingindo R$ 20,37, enquanto os preferenciais avançam 0,85%, aos R$ 20,09. 

A agência colocou o rating da empresa em perspectiva negativa, o que pode indicar um corte na nota de crédito em breve. “A perspectiva negativa reflete os crescentes níveis de dívida da empresa e a incerteza acerca do timing e entrega da produção e do crescimento do fluxo de caixa diante de um grande plano de investimento”. destaca a agência.

Petrobras firma acordos e venda de ativos
Também na noite de segunda, a companhia firmou um aditivo com a HRT (HRTP3) e a TNK-BP sobre o plano de trabalho ao protocolo para monetizar o gás na Bacia do Solimões. O original, firmado em 15 de outubro, agora contém o plano de trabalho acertado entre empresas a ser desenvolvido nos próximos seis meses – iniciando em janeiro de 2013. Com isso, os papéis da petrolífera pré-operacional sobem 4,09%, aos R$ 5,09. 

Já na manhã desta terça-feira, a petroquímica Innova, controlada pela Petrobras e que está no pacote de desinvestimentos da estatal, tornou-se alvo de disputa de quatro empresas: entre os possíveis interessados na companhia está uma concorrente indireta, a Videolar, do empresário Lírio Parisotto, a Elekeiroz, empresa controlada pela holding Itaúsa (ITSA4), a petroquímica francesa Total e a Styrolution. Segundo informações do Valor Econômico, a companhia está avaliada em aproximadamente US$ 400 milhões.

LLX Logística polui rio no porto de Açu
A UENF (Universidade Estadual do Norte Fluminense) publicou um estudo indicando que a LLX Logística (LLXL3) está gerando prejuízos ambientais ao Rio de Janeiro, com a construção do Porto de Açu, em São João da Barra. Mesmo assim, as ações da empresa avançam 0,45%, e atingem os R$ 2,24. 

De acordo com o estudo, isso está associado à abertura do canal para a construção do complexo portuário de Eike Batista. Na avaliação dos pesquisadores, a areia dragada do mar contribui para a salinização da água, já que é depositada próxima à lagoa. O estudo salienta que se nada for feito para reverter o problema, é capaz que a área sofra de desertificação. 

Gradiente surfa no sucesso da Apple
As ações da Gradiente (IGBR3) registram forte alta de 8,31%, aos R$ 10,30, após a empresa anunciar o início das vendas de sua nova linha de smartphones. O primeiro modelo dessa linha de aparelhos da Gradiente chama Neo One, que faz parte da família IPHONE, curiosamente o mesmo nome do smartphone desenvolvido pela Apple. 

A empresa explica que pode comercializar os aparelhos com a marca IPHONE porque a IGB Eletrônica, sucessora da Gradiente SA, é detentora exclusiva dos direitos de registros da marca no Brasil.

PUBLICIDADE

BB aprova criação de subsidiárias
O Conselho de Administração do Banco do Brasil (BBAS3) aprovou na última segunda-feira (17) a criação das subsidiárias BB Seguridade e BB Cor Participações, informou em comunicado nesta manhã. Com isso, os papéis sobem 1,08%, aos R$ 22,52. 

A BB Seguridade terá 100% de participação da BB Cor Participações e do BB Seguros. O BB Cor Participações será responsável pela BB Corretora e, eventualmente, por outras sociedades que atuem como corretoras na comercialização de seguros, previdência aberta, capitalização e planos de saúde e odontológicos. 

Com isso, o Banco do Brasil pretende consolidar todas as atividades em seguros, capitalização, previdência complementar aberta e atividades semelhantes, assim como obter ganhos de escala, redução de custos e despesas e ampliar a atuação da BB Corretora, que começará a comercializar produtos de terceiros, dentro e fora dos canais de distribuição do BB.

O Banco do Brasil pretende abrir o capital da BB Seguridade no próximo ano, via oferta primária e secundária de ações.

Novos vetos à carne brasileira
O Egito, terceiro maior comprador de carne bovina brasileira, proibiu a importação do produto com procedência do Estado do Paraná devido a um caso “atípico” da doença da vaca louca, afirmou o Ministério da Agricultura na noite de segunda-feira, enquanto autoridades russas analisam uma medida similar. Os papéis do JBS (JBSS3) avançam 1,05%, para R$ 5,77, enquanto as ações do Marfrig (MRFG3) registram ganhos de 0,11%, aos R$ 8,75. Por sua vez, o Minerva (BEEF3) vê sua ação estável, aos R$ 10,05. 

Ainda assim, ambos mercados devem continuar a comprar grandes volumes de carnes de outros Estados brasileiros, reforçando o impacto ainda limitado do caso “atípico” de Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB), conhecida como doença da vaca louca, na indústria brasileira de gado alimentado a base de capim.

Rússia, Hong Kong e Egito, que compraram mais da metade das 896.000 toneladas exportadas pelo Brasil neste ano até setembro, continuam a importar a carne do país. Até o momento, Hong Kong não impôs restrições sobre suas importações de carne brasileira. Já a Rússia não deve proibir todas as importações, limitando as restrições – se caso forem impostas – apenas ao Paraná.

Respondendo às notícias veiculadas, o Minerva enviou um comunicado ao mercado informando que não será impactado pela restrição egípcia, visto que ela não possui planta no estado do Paraná. As vendas para o Egito representaram aproximadamente 10,0% do faturamento bruto da companhia no acumulado dos nove primeiros meses de 2012, informa o Minerva.

PUBLICIDADE

São Martinho sobe após comprar usina da Biosev
A notícia da compra de ativos da Biosev pela São Martinho (SMTO3) impulsiona as ações da empresa compradora na Bovespa. Os papéis SMTO3 registravam alta de 2,00%, cotados a R$ 25,50. No seu melhor momento do dia até o momento, as ações da São Martinho chegaram a valer R$ 25,94, indicando valorização de 3,76%.

Na noite de segunda-feira, a Biosev, divisão de energia da Louis Dreyfus Commodities no Brasil, assinou acordo para venda de sua Usina São Carlos, em Jaboticabal (SP) para a São Martinho. O valor da operação ficou em R$ 200 milhões e inclui a venda da usina e ativos agrícolas e a área com cana no entorno da unidade para a São Martinho. O acordo prevê ainda o fornecimento de 1 milhão de toneladas de cana da São Martinho para a Biosev no primeiro ano da operação.

Em relatório, a equipe de análise da XP Investimentos avalia o acordo como positivo para a São Martinho, tendo em vista o espaço para reduzir custos com os ganhos de sinergia na área agrícola, “uma vez que 70% do custo de produção de açúcar e etanol vêm da área agrícola”. Além disso, a pequena distância da São Martinho para a principal usina da empresa – cerca de 30 km – deve reduzir os custos de carregamento da cana até a usina, aponta a corretora.

GP Investments firma contratos de compra e venda
A GP Investments (GPIV11) firmou contrato de compra e venda de edifícios na Praça Pio X, no centro do Rio de Janeiro. A companhia deverá pagar R$ 46,2 milhões no empreendimento, com investimentos realizados através dos fundos GP Real Estate e GPRE-FIP, fundo de investimentos no setor imobiliário, em conjunto São Carlos (SCAR3). 

Bancos anunciam JCP
O Bradesco (BBDC4) anunciou juros sob capital próprio de R$ 0,018817992 por ação ordinária e R$ 0,020699791 por ação preferencial para os detentores desses papéis no dia 2 de janeiro. Enquanto isso, a Itaúsa (ITSA4) pagará R$ 0,207 por ação para quem tiver os papéis no dia 24 de dezembro.