Radar InfoMoney

Barragem da Vale em Nova Lima tem trincas, Engie tem interesse nos 10% da Petrobras na TAG e mais destaques

Confira os destaques do noticiário corporativo na sessão desta segunda-feira (16)

(Agência Petrobras)
Aprenda a investir na bolsa

A Eneva informou à CVM que fará a sua terceira emissão de debêntures simples para levantar R$ 650 milhões, que serão usados na expansão do projeto Parque dos Gaviões, na Bacia do Parnaíba (Nordeste). A Engie Brasil Energia comunicou que exercerá sua preferência de acionista majoritária na Transportadora Associada de Gás (TAG) e comprará os 10% restantes da Petrobras na empresa. No noticiário sobre a Vale, a RecordTV apurou que barragem de rejeitos da Vale em Nova Lima tem trincas.

Vale (VALE3)

Já no noticiário sobre a Vale, a RecordTV apurou que barragem de rejeitos da Vale em Nova Lima tem trincas. Em nota enviada por e-mail à Bloomberg, a Vale confirmou as trincas, acrescentando que a estrutura é monitorada regularmente e mostra sinais de estabilidade; assessoria de imprensa da companhia também disse que não há risco iminente de ruptura.

Engie Brasil (EGIE3) e Petrobras (PETR3;PETR4)

A Engie Brasil Energia informou em comunicado ao mercado que comprará os 10% restantes da Petrobras na Transportadora Associada de Gás S.A. (TAG). Segundo a filial brasileira da empresa francesa, a compra será efetuada em parceria com sua sócia canadense, o banco CDPQ.

Aprenda a investir na bolsa

No dia 11, a Petrobras enviou comunicado à CVM mostrando intenção de vender seus 10% restantes na TAG. No dia 13 a Engie Brasil declarou que, como acionista majoritária da distribuidora de gás natural, junto ao CDPQ, exercerá sua preferência na compra da fatia restante.

A soma não foi revelada e nem a data a ser concluído o negócio. Em junho deste ano, a Engie Brasil e o CDPQ pagaram R$ 33 bilhões e compraram 90% da TAG, que controla gasodutos nas regiões Sudeste, Nordeste e Centro-Oeste do Brasil.

A Petrobras ainda comunicou à CVM na manhã de hoje que iniciou a divulgação da oportunidade (teaser) para a venda da sua participação na concessão BM-P-2, na Bacia de Pelotas (RS). A Petrobras e a petrolífera francesa Total são parceiras nessa concessão, cada uma com 50%. “O desinvestimento será realizado em conjunto, com a venda entre 30% e 65% da participação na concessão”, informou a petrolífera brasileira.

Trisul (TRIS3)

A construtora e incorporadora paulista Trisul, que tem o foco em empreendimentos imobiliários nas zonas Sul e Oeste da capital paulista, comunicou que comprou oito terrenos, entre setembro e dezembro deste ano.

A incorporadora não informou quanto pagou nos terrenos, mas afirmou que, em Valor Geral de Vendas (VGV), eles equivalem a R$ 1,7 bilhão. O curioso é que no mercado imobiliário a Trisul é conhecida por trabalhar com estoque pequeno de terrenos. A expansão do VGV pode sinalizar uma retomada mais forte do mercado imobiliário em 2020.

Eneva (ENEV3)

A geradora e distribuidora de energia Eneva informou que realizará a sua terceira emissão de debêntures simples, com o objetivo de levantar R$ 650 milhões no mercado.

PUBLICIDADE

A Eneva atua nos Estados do Maranhão e Amazonas e possui usinas termelétricas de gás natural. Segundo a empresa, a soma levantada com a emissão será usada como reforço de caixa e em investimentos no Projeto Parque dos Gaviões – Bacia do Parnaíba, onde a Eneva extrai gás natural.

Cada debênture terá o valor de R$ 1 mil e o vencimento dos papéis ocorrerá em oito anos a partir da data da emissão.

Saneamento 

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece), a Prefeitura Municipal de Fortaleza e o governo do Estado do Ceará entraram com um pedido na CVM para que a estatal receba o registro de emissora de ações, bem como seja admitida no nível 2 da B3.

A empresa também informou à CVM que pretende fazer oferta pública primária e secundária de ações, tanto no Brasil como nos Estados Unidos, embora não tenha informado no Fato Relevante quando pretende realizar estas transações. Após a aprovação do novo marco do Saneamento na Câmara dos Deputados na semana passada, a Cagece é uma das primeiras estatais do setor a informar intenção de abrir o capital.

Vale destacar que na sexta-feira o governador da Bahia, Rui Costa (PT), afirmou que pretende realizar no ano que vem a abertura de capital da Empresa Baiana de Águas e Saneamento (Embasa). De acordo com ele, a oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) da estatal tende a ficar para após a aprovação do novo marco regulatório do saneamento, que passou nesta semana pela Câmara e ainda será encaminhada ao Senado.

BR Distribuidora (BRDT3)

A BR Distribuidora, o Sitramico/RJ e o Ministério Público do Trabalho (MPT) chegaram a um acordo sobre o programa de demissão voluntária, chamado de Plano de Desligamento Optativo pela companhia.

Segundo informa a BR em comunicado, 1.040 empregados se inscreveram no PDO, dos quais 571 já se desligaram e o restante tem saída programada até maio de 2020. As datas de indenizações permanecem as mesmas, exceto no Rio Grande do Sul, onde as inscrições para o PDO vão até o dia 29 deste mês.

Sabesp (SBSP3)

A Sabesp tem até o dia 15 de julho de 2020 para apresentar atualização de laudo de avaliação de ativos à Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo (Arsesp), no âmbito do processo da 3ª revisão tarifária da companhia, prevista para abril de 2021.

PUBLICIDADE

A agência explica que “é necessário atualizar o Laudo de Avaliação de Ativos apresentado pela Sabesp na segunda revisão tarifária, e levantar todos os ativos que foram incorporados aos sistemas de abastecimento de água e de esgotamento sanitário existentes na companhia de modo a constituir a Base de Remuneração Regulatória – BRR a ser utilizada na 3ª Revisão Tarifária Ordinária (RTO) da Sabesp.”

A base de remuneração da Sabesp vai considerar o conjunto de ativos imobilizados em serviço incorporados durante o terceiro ciclo, de julho de 2016 a junho de 2019.

O Laudo de Avaliação de Ativos deverá apresentar todas as informações físicas (quantitativas e qualitativas) dos ativos, os respectivos valores novos de reposição ou valor contábil, os índices de aproveitamento aplicados, os municípios correspondentes, planta global e identificação de elegibilidade.

A contratação para estudo, levantamento e avaliação dos ativos será feita pela própria Sabesp.

Direcional (DIRR3)

A Direcional informou que Henrique Assunção Paim será novo diretor financeiro da companhia.