Menina dos Olhos

Barclays prefere Cosan a São Martinho, mas vê as duas com otimismo

Banco vê Cosan como companhia com exposição a diferentes setores com oportunidades atrativas, principalmente após joint venture com a Shell

SÃO PAULO – Apesar das ações da Cosan (CSAN3) passarem por um ótimo ano, com os papéis acumulando alta de pouco mais de 50%, o Barclays ainda vê os ativos da companhia com bons olhos, com recomendação “outperform” (acima da média do mercado). Com a mesma recomendação, porém com uma cautela maior, o banco vê os papéis da São Martinho (SMTO3) já precificados em relação à fraqueza nos preços do açúcar.

Nos papéis da Cosan, o Barclays vê uma companhia com uma exposição a diferentes setores com oportunidades atrativas. A recente aprovação da joint-venture junto com a Shell, criando a Raízen, pode colaborar na evolução das exportações de etanol, com o uso da rede global da Shell como apoio.

O banco ainda vê na empresa uma crescente capacidade logística, considerando o contexto de restrições de infraestrutura do País. Além disso, os analistas citam um negócio de gás robusto, com crescimento da plataforma de distribuição e capacidade da Cosan entrar em novos negócios, tanto em transporte como em gás.

No caso da São Martinho, mesmo afirmando que a companhia já tem suas ações precificadas após a projeção de um ano fraco no preço do açúcar, o Barclays vê com bons olhos a companhia. De acordo com o banco, a empresa já garantiu uma boa parte de sua produção de 2012/13 e 2013/14 com colheitas acima das projeções e preços maiores que os atuais.

O banco também aponta para projetos de expansão da capacidade de terrenos chamados brownfields (terrenos abandonados com um bom potencial de reutilização), que poderiam fornecer ganhos e margens mais elevadas.