Azevedo & Travassos (AZEV4) firma contrato com Petrobras (PETR4) para instalação de bombas, Santos Brasil (STBP3) aprova dividendos e JCP

Confira os principais destaques do noticiário corporativo desta quinta-feira (22)

Felipe Moreira

Publicidade

O radar corporativo desta quinta-feira (22) traz a Azevedo & Travassos (AZEV4) que assinou contrato com a Petrobras (PETR4) para o projeto executivo de construção e montagem para instalação das bombas no Polo Gaslub em Itaboraí, RJ, no valor de R$ 48,2 milhões.

A Santos Brasil (STBP3) aprovou a distribuição de dividendos e JCP no valor de R$ 43,6 milhões.

A Mills (MILS3) aprovou a pagamento de juros sobre capital próprio (JCP) no valor total de R$ 18,4 milhões.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Ibovespa hoje: acompanhe o que movimenta Dólar, Juros e Bolsa Ao Vivo

O Itaú (ITUB4) fez acordo para compra de 15,02% das ações de subsidiária da Eneva (ENEV3) por R$ 1 bilhão.

Confira mais destaques:

Continua depois da publicidade

Azevedo & Travassos (AZEV4)

A Azevedo & Travassos (AZEV4) assinou contrato com a Petrobras para o projeto executivo de construção e montagem para instalação das bombas de GLP B-2621301D/E no Polo Gaslub em Itaboraí, RJ, e interligação dos dutos de GLP Ocerj 10 e Osduc II 10 e instalações de apoio em Guarapimirm.

O escopo de contrato com a Petrobrás é um projeto executivo de construção e montagem para instalação das bombas de GLP B-2621301D/E no Polo Gaslub em Itaboraí, RJ, e inteligação dos dutos de GLP Ocerj 10 e Osduc II 10 e instalações de apoio em Guarapimirm RJ, o contrato possui valor estimado de R$ 48.206.631,50  e prazo de execução de 16 meses.

Santos Brasil (STBP3)

A Santos Brasil (STBP3) aprovou a distribuição de um montante total de proventos no valor de R$ 43,6 milhões, sendo uma parcela de dividendos intermediários no valor de R$ 6,4 milhões, além de outra parcela de crédito dos juros sobre o capital próprio (JCP antecipados), relativos ao período de janeiro a março de 2023, no valor bruto de R$ 37,1 milhões.

Os valores dos dividendos intermediários equivalem a R$ 0,007433647 por ação. Para ter direito tem que ter ações em 14 de julho de 2023.

Os valores líquidos do JCP serão de R$ 0,036537372 por ação, com base na posição acionária de 14 de julho de 2023.

O pagamento dos proventos será realizado em 31 de julho de 2023.

Mills (MILS3)

A Mills (MILS3) aprovou a declaração de juros sobre capital próprio (JCP) referente ao segundo trimestre de 2023, a ser imputado ao valor do dividendo mínimo obrigatório relativo ao exercício social de 2023, no valor total de R$ 18,4 milhões, a
serem creditados aos acionistas no dia 14 de julho de 2023, correspondendo a R$ 0,15251212 brutos, por ação da Companhia, desconsideradas as ações mantidas em tesouraria.

A distribuição terá como data-base de cálculo a posição acionária de 26 de junho de 2023 (record date), incluindo as negociações realizadas em tal data.

A partir de 27 de junho de 2023, inclusive, as ações de emissão da Companhia serão negociadas “ex” dividendos na B3 S.A. – Brasil, Bolsa e Balcão.

Allpark (ALPK3)

A Estapar (Allpark Empreendimentos e Participações) aprovou um programa de recompra de ações, conforme fato relevante divulgado nesta quarta-feira.

O objetivo do programa de recompra de ações é regular a aquisição de papéis da companhia para manutenção em tesouraria e posterior cancelamento e/ou alienação para cumprir o estabelecido em programas de remuneração, disse a Estapar.

O programa prevê a aquisição de até 2 milhões de ações ordinárias de sua própria emissão, o equivalente a cerca de 2,26% do total de papéis da companhia em circulação no mercado.

O prazo máximo para a liquidação das aquisições de ações é de 18 meses contados a partir de 21 de junho, acrescentou o comunicado.

Até 31 de maio, a Estapar possuía 88.295.322 ações ordinárias em circulação, sendo 148.900 delas mantidas em tesouraria.

Jalles Machado (JALL3)

A Jalles Machado (JALL3) informou que, nesta quarta-feira (21), seu Conselho de Administração aprovou a implantação de uma fábrica de açúcar VHP na Unidade Santa Vitória, no município de Santa Vitória, em Minas Gerais.

A nova fábrica terá capacidade de produzir 15.000 sacas de 50kg de açúcar VHP (equivalente a 750 toneladas) por dia, totalizando 150 mil toneladas por safra. Com esse investimento, a Unidade Santa Vitória, que hoje possui 100% do seu mix voltado para a produção de etanol, poderá ter maior flexibilidade (etanol x açúcar), podendo chegar em até 52% do seu mix para açúcar.

Com isso, o mix total de produção da Companhia, incluindo as suas 3 Unidades, passará a ser de até 51% para açúcar, considerando em ambos os casos o cenário máximo na produção de açúcar para a safra de 2024/25.

O total deste investimento está estimado em R$ 170 milhões, com previsão para o início da operação na safra de 2024/25.

Iguatemi (IGTI3)

O grupo Iguatemi (IGTI3) obteve liminar que autoriza o despejo de unidade da rede Tok&Stok localizada em um shopping administrado pela companhia na cidade de Ribeirão Preto, no interior de São Paulo.

O Iguatemi aponta três meses de inadimplência da Tok&Stok, em um total de R$ 212,7 mil em débitos. O contrato de locação vai até o fim de março de 2029.

VIA (VIIA3)

O Conselho de Administração da Via (VIIA3) aprovou a eleição de Elcio Mitsuhiro Ito como novo Diretor Vice-Presidente Financeiro da companhia, com efeitos a partir de 10 de julho de 2023, em substituição a Orivaldo Padilha, que permanecerá na varejista de forma a assegurar uma transição ordenada das funções até então exercidas.

Eneva (ENEV3)

A Eneva (ENEV3) informou que o Itaú Unibanco (ITUB4) realizou um investimento na Eneva III, no montante de R$ 1 bilhão, através da subscrição e integralização de ações preferenciais com direito de voto restrito de emissão da Eneva III.

Com a conclusão da operação, e nos termos do Acordo de Investimento, o Itaú passou a ser o titular da totalidade das ações preferenciais de emissão da Eneva III, representativas de 15,02% do seu capital social total, e a Eneva, por sua vez, se manteve titular da totalidade das ações ordinárias de emissão da Eneva III, as quais passaram a representar 84,98% do seu capital social total.

(Com Reuters)