Auren (AURE3) e Vivara (VIVA3) entram na 1ª prévia do Ibovespa para maio a agosto

Para o dia 16 de abril está prevista a segunda prévia e, no dia 2 de maio, a terceira

Felipe Moreira

Publicidade

A primeira prévia do Ibovespa para o período de maio a agosto de 2024 mostra a entrada das ações da companhia de energia elétrica Auren (AURE3), investida do grupo Votorantim, e da rede de joalherias Vivara (VIVA3), conforme dados divulgado pela B3 nesta segunda-feira (1º).

Se confirmadas, com tais alterações, a carteira teórica do Ibovespa contará com 88 papéis, de 85 empresas.

A prévia também excluiu as ações da Gol, empresa que entrou com pedido de recuperação judicial no Tribunal de Falências de Nova York, em janeiro.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Itaú BBA, XP Investimentos, Bank of America, BTG e Genial já davam a inclusão das ações da Vivara como praticamente certa na nova composição. As cinco instituições também não viam a possibilidade de exclusões do índice.

Além de Vivara e Auren Energia, Caixa Seguridade (CXSE3) e Marcopolo (POMO4) são outras empresas que têm chances de ingressar no Ibovespa a partir do próximo mês, nas próximas prévias, que ainda serão divulgadas.

A nova carteira irá vigorar do dia 8 de maio até agosto. Para o dia 16 de abril está prevista a segunda prévia e, no dia 2 de maio, a terceira.

Continua depois da publicidade

Pesos pesados do Ibovespa

Os cinco ativos que apresentaram o maior peso na composição do índice foram: Vale ON (12,478%), Petrobras PN (7,905%), Itaú Unibanco PN (6,930%), Petrobras ON (4,376%) e Banco do Brasil (3,728%).

Para compor a carteira do Ibovespa B3, as companhias listadas precisam cumprir alguns requisitos como negociadas em 95% dos pregões no período de vigência das últimas três carteiras (aproximadamente 1 ano); movimentação financeira equivalente a pelo menos 0,1% do volume financeiro do mercado à vista no mesmo período; e estar entre os ativos que representem 85% em ordem decrescente de Índice de Negociabilidade (IN), que mede o volume negociado por um ativo na bolsa. Além disso, não pode ser penny stock (ações negociadas por valor abaixo de R$ 1,00).

(Com Estadão Conteúdo)