Ativistas jogam sopa contra ‘Mona Lisa’ de Da Vinci no Louvre

Ato ocorreu para chamar atenção para a necessidade de proteger o ambiente e as fontes de alimentos

ANSA Brasil

Publicidade

Duas ativistas atiraram sopa contra o vidro que protege a pintura “Mona Lisa”, do gênio italiano Leonardo Da Vinci, exposta no Museu do Louvre, em Paris, neste domingo (28).

Um vídeo registrou o momento em que a dupla lançou o caldo vermelho contra a proteção, após ultrapassarem a barreira diante da obra-prima mais notória do mundo.

Elas vestiam camisetas da organização francesa Risposte Alimentaire (Resposta Alimentar, em português), que afirmou que o protesto foi realizado para chamar a atenção para a necessidade de proteger o ambiente e fontes de alimentos.

As mulheres gritaram “O que é mais importante? Arte ou direito a um sistema alimentar saudável e sustentável?” e “Nosso sistema agrícola está doente, nossos agricultores estão morrendo no trabalho”.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Os seguranças do museu pediram que os visitantes evacuassem e as mulheres foram retiradas. Ao mesmo tempo, a dama sorridente foi coberta por painéis pretos, enquanto os frequentadores tentavam registrar a cena em fotos e vídeos.

Protesto de agricultores

A ação ocorreu no momento em que agricultores franceses protestam contra as políticas do presidente Emmanuel Macron, e dá seguimento a uma série de outros ataques a obras de arte: em 2022, ativistas atiraram sopa na pintura “Girassóis”, de Vincent Van Gogh, na Galeria Nacional de Londres; no mesmo ano, outros manifestantes se colaram a pinturas de Goya no Museu do Prado, na Espanha.

A própria “Gioconda” já foi atacada em outras ocasiões: em maio de 2022, um homem atirou contra ela uma torta de creme.

Continua depois da publicidade

A obra foi coberta pela caixa de vidro em 1956 após outro ataque, quando um visitante boliviano atirou uma pedra contra a imagem, danificando a pintura. Desde 2005, o vidro é blindado.